Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Francisco Rodrigues dos Santos levanta congresso do CDS

25 jan, 2020 - 14:17 • Eunice Lourenço , Susana Madureira Martins

Candidatos a presidente do CDS apresentaram as suas moções de estratégia global. João Almeida promete candidato presidencial próprio se for preciso.

A+ / A-

Vale o que vale. Mas o momento que levantou o congresso do CDS foi a subida a palco de Francisco Rodrigues dos Santos, líder da Juventude Popular e candidato a presidente do CDS. Levantou o congresso quando subiu ao palco, levantou alguns em vários momentos do seu discurso inflamado, arrancou gritos de “CDS! CDS!” à saída e ninguém foi tão aplaudido na manhã de congresso.

Francisco Rodrigues dos Santos foi o último dos candidatos à liderança a apresentar a sua moção de estratégia global. “Estou neste congresso completamente livre e completamente solto”, começou por dizer, recuperando o lema da Juventude Popular, que João Almeida – ex-líder da JP e o primeiro candidato a discursar – também já tinha usado.

“Esta é uma candidatura que não deve favores a ninguém, nem é sucessora de coisa rigorosamente nenhuma”, continuou Francisco Rodrigues dos Santos para quem é preciso “enfrentar os adversários lá fora e vencer os erros cá dentro”.

E o erro, para o líder da JP, foi tentar tornar o CDS um "catch-all party", um partido que tenta chegar a todo o eleitorado. “Não somos um partido de meias-tintas”, disse, apelando ao combate em nome da definição do partido. “Quando o combate aperta e a febre aumenta fascistas somos todos”, disse apontando o que considera ser os preconceitos de quem vê o CDS de fora.

“Só quem não tem medo de ser chamado radical é que pode ser livremente moderado”, continuou Francisco Rodrigues dos Santos, que quer fazer do CDS “um partido forte que dispensa a mediação da imprensa para fazer passar as suas ideias”.

João Almeida contra os “controleiros”

Nos discursos de apresentação das moções de estratégia global, ficou clara a oposição entre Francisco Rodrigues dos Santos e João Almeida. O primeiro, líder da JP, anuncia-se como capaz da rutura com a estratégia de Cristas e cola João Almeida, que o antecedeu na JP, aos erros da estratégia de Cristas, de quem Almeida foi porta-voz.

“Há também quem diga que sou o rosto do insucesso. Será que quando fui eleito em 2002 pela Juventude Popular para o parlamento foi insucesso?”, perguntou João Almeida no seu discurso, em que tentou descolar dessa imagem de continuidade com o rumo levado nos últimos anos.

João Almeida recusou haver “problemas de identidade” no CDS-PP e disse que quer ser o presidente de um partido “livre e não de um partido controlado”, de um partido “dos militantes livres e soltos”.

“Não vamos ser a direita que a esquerda gosta, vamos ser a direita que a esquerda não gosta. Vamos ser o partido dos militantes livres e soltos, sem controleiros” e “sem messianismos”, declarou o deputado eleitor por Aveiro, numa alusão implícita a Francisco Rodrigues dos Santos.

No seu discurso, João Almeida deixou também no ar a promessa de um candidato presidencial próprio do CDS. “Vamos ter o desafio das presidenciais, sabem qual é a minha opinião sobre a avaliação do mandato do atual Presidente da República, mas, se por alguma razão for preciso o CDS ter um candidato às eleições presidenciais, eu sei quem é, sei como vamos fazer e tenho a garantia que teremos esse candidato”, afirmou.

Já Filipe Lobo d’Ávila, outro dos principais candidatos, lançou o convite a Assunção Cristas para ser candidata de novo à Câmara Municipal de Lisboa.

Candidato para apoiar outros

João Almeida, Filipe Lobo d’Ávila e Francisco Rodrigues dos Santos são os principais candidatos à liderança, mas há ainda mais dois candidatos: Abel Matos Santos, da Tendência Esperança em Movimento, e Carlos Meira, um militante de Viana do Castelo.

Abel Matos Santos foi o primeiro subscritor de moções a falar e, portanto, também o primeiro candidata à liderança a subir ao palco. Defendeu um CDS conservador, uma mudança do rumo do partido para a direita.

“Um CDS preocupado com aqueles que não podem nascer devido ao Aborto, por falta de condições que o Estado não assegura. Um CDS preocupado com a forma como os mais velhos e doentes sofrem e morrem por falta da mais justa e elementar ajuda médica e de enfermagem! Um CDS preocupado com a ideologia do género, que confundindo propositadamente igualdade, rejeita a equidade, e leva a doutrinação para o espaço público, para as escolas, querendo criar o homem novo! Um CDS que combata a corrupção e os interesses ilegítimos!”, defendeu Abel Matos Santos.

“O CDS faz falta mesmo! Mas faz falta para isto, não para de forma tímida e cúmplice cumprir, como muitas vezes fez, a agenda da esquerda e do socialismo, ora por ausência ora por concordância”, acrescentou o candidato que acusa Assunção Cristas de ter descaracterizado o partido.

“O CDS bateu no fundo e com estrondo”, disse por sua vez Carlos Meira, que atacou mesmo o partido por “negociatas vergonhosas”. Este militante, que já admitiu existir da sua candidatura em favor de Francisco Rodrigues dos Santos, defendeu que “para se reerguer o CDS precisa de se clarificar” e desafiou os candidatos à liderança a dizerem desde já quem são os seus candidatos a secretário-geral do partido.

Para além das moções defendidas pelos cinco candidatos, há mais sete moções de estratégia global que foram apresentadas antes da interrupção dos trabalhos para almoço.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • 25 jan, 2020 16:21
    Manuela ferreira leite" tambem ja afirmou o mesmo " mas foi sozinha noutro contexto isabel!
  • 25 jan, 2020 16:15
    Juro " que nao entendo a comunicacao social! Depois do cds vir a televisao lavar a roupa suja " que interesse posso ter eu saber a opiniao da editora de politica renascenca"ou qualquer outra opiniao" se alguem do cds diz que o partido e apenas uma firma de empregos"e nao foi desmentido por nenhum dos outros!

Destaques V+