A+ / A-

Freitas do Amaral. "Sonhei coisas grandes e, felizmente, vivi muitas"

03 out, 2019 - 15:36 • Marta Grosso

Bertrand e Universidade Nova recordam “figura incontornável”. Professor catedrático e fundador do CDS, Freitas do Amaral morreu nesta quinta-feira, aos 78 anos.

A+ / A-
Freitas do Amaral. O último dos "pais" do regime democrático
Freitas do Amaral. O último dos "pais" do regime democrático

A Universidade Nova de Lisboa descreve Freitas do Amaral como “uma figura incontornável do Direito em Portugal, que teve uma visão ousada e inovadora para o ensino do Direito no país”.

É assim que a universidade reage à morte do fundador da Faculdade de Direito.

“A melhor homenagem que podemos prestar ao Professor Freitas do Amaral é dar contínuo vigor e renovado arrojo a um projeto que iniciou e que veio revolucionar o ensino do Direito em Portugal”, afirma a atual diretora, Mariana França Gouveia.

Na nota enviada à Renascença, a Universidade Nova de Lisboa “junta-se ao país num voto de pesar pelo falecimento de Diogo Freitas do Amaral e apresenta as mais sentidas condolências à família”.

É também com pesar que a Editora Bertrand reage à morte do antigo ministro dos Negócios Estrangeiros (entre muitos outros cargos políticos) e “um dos fundadores da Democracia portuguesa”.

“Com vários livros publicados pela Bertrand, nos quais se incluem os três volumes de ‘Memórias Políticas’”, a editora destaca algumas frases dos livros.

“Ao olhar para as várias fases da minha vida, muito cheia e multifacetada, quase sempre a começar de novo, revejo-me por inteiro nas recentes e belas palavras do Papa Francisco (Exortação apostólica «Cristo Vive», 2019): ‘Um jovem não pode sentir-se desanimado, é próprio dele sonhar coisas grandes, procurar largos horizontes, atrever-se a mais, querer conquistar o mundo, ser capaz de aceitar propostas desafiantes e desejar contribuir, com o melhor de si mesmo, para construir algo melhor.’

Sempre fui um cidadão ativo, movido por um forte impulso interior no sentido da participação, do reformismo e de maior justiça social”, refere Freitas do Amaral.

Lembrando depois muitas das etapas da sua vida, a sinopse do livro “Memórias Políticas III (1982 - 2017): 35 anos de Democracia ̶ um percurso singular” termina com a seguinte frase: “Sonhei coisas grandes: e, felizmente, vivi muitas.”

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+