Tempo
|
A+ / A-

PS vai abster-se na resolução do CDS sobre liberdade religiosa

20 abr, 2017 - 16:22

Os socialistas consideram que o documento revela uma visão "limitada" ao restringir aos cristãos o fenómeno das perseguições religiosas.

A+ / A-

O PS vai abster-se na sexta-feira, no parlamento, perante a resolução do CDS-PP sobre defesa da liberdade religiosa, considerando que no documento é apresentada uma visão "limitada" ao restringir-se aos cristãos o fenómeno das perseguições religiosas.

Este projecto de resolução do CDS-PP, que tem como primeira subscritora a deputada Ana Rita Bessa, é discutido e votado em plenário na sexta-feira, e recomenda ao Governo "uma actuação firme, activa e global em defesa da liberdade religiosa".

Entre outras medidas, o CDS-PP pretende que o Governo "coloque na agenda da próxima reunião do Conselho de Negócios Estrangeiros da União Europeia a discussão do declínio da liberdade religiosa no mundo e do agravamento da perseguição aos cristãos no Médio Oriente e em África, reforçando a necessidade de medidas concretas para a protecção destas comunidades".

Em declarações à agência Lusa, o deputado socialista Ascenso Simões disse não haver da parte do PS "qualquer razão para um voto contra" em relação a esta iniciativa do CDS-PP, subscrevendo inclusivamente a denúncia feita à perseguição das comunidades cristãs em vários pontos do mundo.

"No entanto, o CDS-PP não aceitou até agora nenhuma das nossas propostas de alteração. A questão da perseguição religiosa não pode ser restringida aos cristãos. Estamos assim perante uma visão redutora da liberdade religiosa", lamentou o antigo secretário de Estado socialista.

Ascenso Simões referiu que "há casos graves de perseguição religiosa entre muçulmanos, entre cristãos contra muçulmanos [em países ocidentais], ou entre cristãos [protestantes contra católicos] na Irlanda do Norte".

"Não podemos esquecer o conflito israelo-árabe, ou a situação dos budistas em vários países asiáticos. Não devemos ter uma visão limitativa, situando-nos exclusivamente nos problemas dos cristãos", completou o deputado socialista.

No projecto de resolução do CDS referem-se resultados de 2016, os quais "demonstram que entre 500 a 600 milhões de cristãos foram constrangidos a agir contra a sua própria consciência".

"Entre os vários elementos divulgados, assinale-se que mais de 90 mil cristãos foram mortos em razão da sua fé", salienta-se também.

Face a esta realidade, o CDS-PP entende que Portugal, "na condição de país membro do Conselho de Direitos Humanos da ONU, não pode permanecer indiferente perante situações de extrema violência e que chegam ao nível de genocídio, com graves consequências para a paz e estabilidade regionais e insensível ao sofrimento das comunidades cristãs e de outras minorias religiosas".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • o fundamentalismo
    20 abr, 2017 lis 18:33
    Do CDS que só olha para o seu umbigo! Das duas uma ou são ignorantes ou estão de má fé! E chamam aos outros de radicais!...
  • António Costa
    20 abr, 2017 Cacém 17:46
    Na Irlanda do Norte as comunidades cristãs católicas e protestantes, continuam a coexistir, apesar dos conflitos. Do Norte de Chipre os cristãos foram pura e simplesmente expulsos. A perseguição que as comunidades cristãs e muçulmanos xiitas sofrem, com ataques quase diários nada tem a ver com o que se passa na Irlanda. Nos países muçulmanos a lei anti blasfémia é uma realidade, fazendo com que qualquer desvio às práticas religiosas vigentes seja punido com a morte.

Destaques V+