Tempo
|
A+ / A-

PS diz que responsabilidade de Núncio comprova "negligência" de anterior Governo

25 fev, 2017 - 20:26

Os socialistas reagem assim à polémica dos muitos milhões que saíram de Portugal para "offshore" sem se saber se pagaram ou não os impostos devidos.

A+ / A-

O PS sublinha que o assumir da "responsabilidade política" do antigo secretário de Estado Paulo Núncio, no caso das transferências para paraísos fiscais, comprova a "negligência" do executivo PSD/CDS no acompanhamento destes "fluxos financeiros".

"O Governo de PSD e CDS foi muito eficaz, foi de uma grande eficácia a cobrar impostos aos portugueses (...) mas depois foi bastante negligente no acompanhamento dos grandes fluxos financeiros para 'offshore'", vincou o secretário nacional do PS Eurico Brilhante Dias, em declarações à agência Lusa.

O dirigente e deputado socialista falava depois de Paulo Núncio, antigo secretário de Estado com a pasta dos Assuntos Fiscais, ter assumido a sua "responsabilidade política" pela não publicação de dados relativos às transferências dinheiro para 'offshore', pedindo também o abandono das suas funções actuais no CDS.

A "negligência" do anterior executivo, prosseguiu Eurico Brilhante Dias, tem uma "responsabilidade acrescida" a nível político, porque se deu num momento em que "aos portugueses foi pedida uma grande dose de sacrifícios", nomeadamente por via do aumento dos impostos.

"Vamos continuar a acompanhar este caso e à procura da verdade, no sentido de garantir equidade fiscal de todos os portugueses perante a administração fiscal", continuou o socialista.

"Tendo em conta o tempo que decorreu entre os factos e o presente e tendo tido agora a oportunidade de revisitar os documentos que têm sido noticiados, nomeadamente os apresentados pelos serviços para publicação de informação estatística das transferências transfronteiriças, considero legitima a interpretação dos serviços que levou à não publicação das estatísticas no portal das Finanças. Assumo, por isso, a responsabilidade política pela não publicação das referidas estatísticas", sublinha Paulo Núncio, no comunicado enviado esta tarde à Lusa.

Na noite de sexta-feira, o antigo director-geral do fisco Azevedo Pereira garantiu ter solicitado, por duas vezes, ao ex-secretário de Estado Paulo Núncio autorização para publicar dados relativos às transferências de dinheiro para 'offshore', mas "em nenhum dos casos" esta lhe foi concedida.

Em causa estão transferências de dinheiro para paraísos fiscais concretizadas entre 2011 e 2014, durante a governação PSD-CDS, sem qualquer controlo estatístico por parte da Autoridade Tributária e Aduaneira (AT), como a lei obriga, e que levaram já os partidos com assento parlamentar a solicitar uma audição urgente do actual e do anterior secretário de Estado dos Assuntos Fiscais.

Paulo Núncio, no texto endereçado à Lusa, lembra que a AT "tem, desde 2012, a possibilidade de liquidar todos os impostos devidos nestas situações no prazo alargado de 12 anos (anteriormente este prazo era de 4 anos)", e "nestes termos, quaisquer impostos que sejam devidos nestas situações poderão ser cobrados pela AT até 2024, evitando-se assim o risco de perda da receita do Estado".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Antonio Ferreira
    27 fev, 2017 Porto 21:03
    Num país de incompetentes, onde a promiscuidade predomina há sempre necessidade de empurrar as culpas para os outros. É muito triste ver o comportamento dos ; deputados ( nas suas discussões na AR ), dos governantes ; em funções ou após o exercício das mesmas. Sejamos claros ! Seja qual for o partido, já nos habituaram a este tipo de discussões, sem sentido. Na verdade, o que costumamos ouvir é ; o partido A atira ao partido B atira ao partido C, e por aí fora, conforme os interesses do momentos e com nenhuma preocupação pelo interesse nacional. Os portugueses não são ´´ parvos ´´ e há muito deixaram de votar em larga percentagem ( em alguns casos quase 70 % ), porque perceberam esta miséria política do faz de conta. A integridade, seriedade honra, há muito deixaram de fazer parte do dia-a-dia desses senhores. Por isso nada me surpreende que os inúmeros casos, tristes, que acontecem neste país, como sendo; este desvio para off-shores , e muitos outros casos seja mais um ´´ fait diver ´´ para entretenimento da classe política. Só espero que os grandes sacrifícios que o povo português andou a fazer, nos últimos anos, para pagar os ´´ desfalques ´´ dados por governantes e seus amigos, não se venham a repetir e que os seus responsáveis sejam julgados na Justiça e, obrigados a devolver tudo o que não lhes pertencia. Uma condenação sem devolução dos valores de nada serve. No caso das off-shores, é necessário dizer que faltou pagar os impostos e, não como já se diz, tudo foi legal
  • Vera
    27 fev, 2017 Palmela 17:11
    Mas que grande trapalhada! Se começou com o governo do PS, ainda passou pelo governo do PSD/CDS, que se aguentaram no baloiço, parece que ninguém, se deu conta... e só agora a corda do baloiço partiu!!! e agora? - é como se dizia antigamente: 'agora, bate-chapas e tintas..., põem tudo como novo'! Os jornais angolanos apontam-nos o dedo... e o que mais nos irá acontecer?... o melhor é sorrir para disfarçar! porque 'tristezas não pagam dívidas'. Ó valha-nos Deus...
  • onde pára?
    27 fev, 2017 lis 10:48
    A Marilu? Tão solicita a atacar a "geringonça" e o ministro Centeno e agora perdeu o pio? Esta miss swap não era a superior hierarquica do Nuncio? Também tal como o seu discente Passos desconhecia o que o seu secretário de estado fazia? E querem esta gajada ser levada a serio quando se apresentam frente às camaras das TVs como se fissem uns estadistas e especialistas nas matérias! Nunca mais emigram e nos deixam em paz e sossego!
  • ó alberto
    27 fev, 2017 lx 09:09
    Uma parte serviu também para pagar os trabalhos de Jardinagem da tua terra! Qual era a bancarota dessa jardinagem? Comparando 250 mil habitantes com 10 milhões e os respectivos valores das dividas essa "bancarota" da jardinagem é muito superior à do continente!...Quem tem telhados de vidro se tivesse um minimo de consciência estava caladinho para não dizer asneirolas.
  • ó manuela silva
    27 fev, 2017 lx 08:50
    Larga a cassete! Hoje já há novos equipamentos informáticos que substituiram as cassetes! Depois da dita "bancarrota" vieram as saidas limpas feitas pelos seus amigalhaços que se formos contabilizar são bem mais onerosas do que a "banca rota". Afinal para que serviram aqueles que nos foram aos bolsos sempre com o pretexto estafado da banca rota? Sacrificaram o povo, chamaram-lhe piegas, mandaram sair da zona de conforto para não viverem acima das possibilidades, destruiram familias mandando emigrar, destruiram empresas e "fugiram" com milhares de milhões, aliás como já tinham fugido com os BPN, BES, Banif, etc, etc. Estas clientelas são na sua maioria, repito na sua maioria, gente ligada à direita que a seguir vem lançar suspeições sobre outros para se lavarem do que fazem sistematicamente. Só quem estiver fora do seu juizo perfeito ainda não percebeu que a generalidade dos milhares de milhões que os pobres portugueses estão a pagar foram empochados por essa gente.
  • Manuela Silva
    26 fev, 2017 Lisboa 18:43
    Há que apurar responsabilidades, até aí tudo bem.Agora deixem de choradinho quanto ao aperto de cinto. porque aqui há um culpado o PS e só o PS, que pela mâo de Sócrates e seu governo nos levou à banca rota.E hoje muitos deste governo fizeram parte do de Sócrates e perderam a memória.Deixem-se de ser mentirosos e hipócritas.Se o povo passou mal ao PS o deve.Sejam homenzinhos e assumam as vossas responsabilidades.Toda a gente sabe que.já não havia dinheiro para pagar os ordenados aos funcionários públicos nem pensões.Pena foi que isso tivesse acontecido para muitos daqueles que hoje alinham nestas mentiras e batem palmas a estes mentirosos tivessem ficado sem receber.
  • Luis
    26 fev, 2017 Lisboa 13:48
    Anterior governo? Aquilo não foi um governo. Aquilo foi um bando de malfeitores. Não os julguem politicamente. Julguem-nos criminalmente. O irrevogável Paulinho Feirante está calado e encontra-se em parte incerta, a Marilu do colinho calada como uma rata de esgoto que é o que ela é e o imbecil do Emplastro de Massa Má atrapalhado em engolir as imbecilidades que debitou histericamente na AR ao Costa por causa do 10 mil milhões. Os Portugueses nunca se riram tanto com esta palhaçada que é a oposição. Uma autêntica cambada de idiotas. Costa agradece.
  • rosinda
    26 fev, 2017 palmela 12:23
    A negligencia quando e assumida e saudavel! Paulo nuncio nao quer ficar louco ao contrario de antonio costa que prefere ficar louco a ter que demitir o ministro das financas! Sao dois estados de loucura diferentes ! A primeira parece que deixa os portugueses um pouco aliviados a segunda leva os portugueses a loucura e ao descredito total neste governo!
  • Alberto
    26 fev, 2017 Funchal 08:12
    A negligência do PS levou o País a pedir 75.000 mil milhões.
  • a lista VIP
    25 fev, 2017 lis 21:54
    Quem já não se lembra da famigerada lista Vip que o figurão do CDS, como secretario de estado, afirmou não existir, tendo sido secundado pelo irrevogável Portas! É esta gente que nos quer fazer de tolos, arranjando querelas de lana caprina para ir entretendo e eles poderem fazer as maroscas! A actual líder, esganiçando-se, anda preocupada em fazer queixinhas ao PR, de quem está a trabalhar e bem apresentando excelentes resultados nas finanças e na economia, que eles afirmavam não serem possíveis! Pudera! A incompetência e a incapacidade deles levam a atacar o bom trabalho dos outros! Esta gente merece ser penalizada e bem em próximas eleições sem qualquer contemplação! Os portugueses não podem ter memoria curta!

Destaques V+