A+ / A-

Eutanásia. Menores e doentes mentais vão ficar fora do projecto de lei

03 nov, 2016 - 19:40

Bloco de Esquerda quer legalizar a morte assistida e já tem um projecto que prevê que o suicídio assistido e a eutanásia sejam considerados actos médicos.

A+ / A-

O Bloco de Esquerda já tem critérios definidos para o projecto de lei de despenalização da eutanásia. O texto já está a ser elaborado e deverá acompanhar a discussão da petição que há meses deu entrada no Parlamento.

José Manuel Pureza, autor do relatório desta petição, disse à Renascença que os menores e os doentes mentais vão ficar de fora do futuro projecto de lei.

“Sendo a morte assistida de admitir em função de um pedido livre, consciente e reiterado que pessoas que se situem numa situação provada de depressão profunda, de alteração do seu estado mental, não devem ser admitidas a ter este tipo de solução para fim de vida. Também entendemos que se trata de uma prática que só deve ser admissível para pessoas que sejam maiores e não para menores”, disse.

O deputado bloquista garante que a bancada está a trabalhar numa regulação rigorosa, prudente, mas corajosa e que o projecto irá prever que o suicídio assistido e a eutanásia sejam considerados actos médicos.

“Um médico, que queira responder sim por compaixão, por convicção, ao pedido do seu doente que sofre de maneira atroz, irreversível, com um fim de vida que a cada momento que passa se afigura mais degradante da sua auto-estima, é susceptível de ser punido até três anos e isto limita um espaço de autonomia que tem de ser reconhecido às pessoas. Este caminho tem um horizonte muito concreto: a despenalização”, acrescenta.

O PS não tem posição oficial sobre a eutanásia. No último congresso do partido, um conjunto de militantes socialistas, encabeçado pela dirigente nacional Maria Antónia Almeida Santos, apresentou uma moção que defende a despenalização da eutanásia, um documento cuja discussão tem vindo a ser adiada na comissão nacional do partido.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • João MV
    04 nov, 2016 Lisboa 11:56
    E assim os proponentes garantem que a lei nunca lhes será aplicada.
  • graciano
    03 nov, 2016 alemanha 20:35
    matar e sempre matar e quem mata e assassino ---eu ha uns anos atras tive uma depressao que queria era morrer nao tive coragem para me matar e hoje dou gracas a Deus nao o ter feito entao vamos la se eu nessa altura estivesse num hospital tinha dito ao medico mata-me e ele teria me matado e hoje que ja se passaram 16 anos eu nao estaria aqui a escrever nao teria conhecido meus netos e nao estaria agora aqui na alemanha a comer castanha assada portuguesa kkkkkkkk

Destaques V+