Emissão Renascença | Ouvir Online
A+ / A-

“Presidente da República virou polícia-árbitro da execução orçamental”

29 mar, 2016 - 02:16 • José Pedro Frazão

Tese é defendida pelo social-democrata Nuno Morais Sarmento no programa "Falar Claro" da Renascença. Já o socialista Vera Jardim admite que a comunicação do Presidente da República representa “um bom amparo” para o Governo e para os portugueses.

A+ / A-
“Presidente da República virou polícia-árbitro da execução orçamental”
“Presidente da República virou polícia-árbitro da execução orçamental”

Marcelo Rebelo de Sousa deixou um aviso claro ao Governo sobre a execução do Orçamento do Estado que agora promulgou. A tese é de Nuno Morais Sarmento que leu assim a comunicação dirigida pelo Presidente da República aos portugueses na tarde desta segunda-feira.

“Nunca vi um Presidente fazer um acompanhamento da execução orçamental. Agora, o Presidente ‘virou’ árbitro-polícia da execução orçamental? Foi o que Marcelo fez. A alegria com que Costa e ‘sus muchachos’ viram a promulgação pelo Presidente da República deveria ser a preocupação com que eles o deviam ter ouvido relativamente à execução orçamental”, argumenta o antigo ministro do PSD na Renascença.

No programa “Falar Claro”, o socialista Vera Jardim admite que a comunicação do Presidente da República representa “um bom amparo” para o Governo e para os portugueses.

“O Presidente da República está aí disponível, já se viu, para dar um sentido de certeza e segurança aos portugueses e portanto, de estabilidade”, conclui o antigo ministro da Justiça.

Um Presidente-explicador em Belém?

Nuno Morais Sarmento concede que Marcelo Rebelo de Sousa levou para Belém outro entendimento das funções presidenciais.

“Explicar o Orçamento ao país e as razões políticas de aprovação como ele fez, claramente Marcelo entende que isso é função do Presidente. Ou dito ao contrário, ele entende que não há nenhuma razão para que os portugueses sejam tratados como tolinhos a quem é melhor não explicarem as coisas porque ficam baralhados da cabeça”, argumenta o social-democrata.

Para Vera Jardim, fica claro que o Presidente Marcelo Rebelo de Sousa entende este Orçamento como “um passo decisivo para a normalização da situação do país”. O socialista lembra que a insistência de Marcelo na necessidade de certeza e estabilidade em Portugal.

“Entendeu que este era um momento importante. Veremos com que periodicidade o Presidente da República se dirigirá aos portugueses neste tipo de intervenções que ele adoptou”, observa o histórico militante socialista.

A forma como Marcelo optou para comunicar a sua decisão aos portugueses só tinha um risco, reconhece Morais Sarmento.

“O único risco desta maneira de ser é a dessacralização do poder, considerarmos isto tudo tão banal e divertido que já não respeitamos o mais alto magistrado da nação. Era o único risco que aqui poderia existir. Tirando isto, Marcelo tem bom senso, inteligência, cultura, equilíbrio político suficiente para os portugueses se reverem nele da forma como se reviram”, remata o antigo ministro do PSD.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+