A+ / A-

Medicamentos em falta no hospital do Funchal estão em rutura nacional

06 abr, 2024 - 12:09 • Lusa

Garantia é do Serviço Regional de Saúde da Madeira. Denúncia foi feita pelo partido Juntos Pelo Povo, na sexta-feira.

A+ / A-

Os medicamentos em falta no Hospital Dr. Nélio Mendonça, no Funchal, estão em rutura nacional, indicou o Serviço Regional de Saúde da Madeira (Sesaram), na sequência de uma denúncia feita pelo partido Juntos Pelo Povo (JPP) na sexta-feira.

"A falta de medicamentos citada pelo JPP não é uma falta específica do Hospital Dr. Nélio Mendonça. Os medicamentos em causa estão em rutura nacional", afirma o Sesaram, em comunicado, criticando "o aproveitamento político desta situação que é totalmente alheia à instituição".

Os medicamentos em rutura são o Letrozol e o Megestrol suspensão oral (usados no tratamento do cancro da mama e do útero) e o Everolimus 10mg (usado para prevenir rejeição de transplantes e também em tratamentos oncológicos), refere a autoridade regional.

De acordo com o Sesaram, o Everolimus 10 mg está a ser substituído por dois comprimidos de 5mg e o Megestrol suspensão oral está a ser disponibilizado em comprimidos.

"Relativamente ao medicamento Letrozol, que está em rutura no fornecedor, informamos que o Serviço de Saúde já recorreu, em 09 de fevereiro, a um distribuidor local, que disponibilizou todas as caixas do fármaco que tinha em "stock" para a farmácia distribuir rateadamente aos utentes", acrescenta.

"Face ao exposto, e estando em rutura no fornecedor, efetuou-se nova consulta para outros laboratórios, tendo sido adjudicado à farmacêutica "Accord" 9.660 comprimidos, que chegarão à farmácia hospitalar, a qualquer momento", lê-se na nota.

Na sexta-feira, o JPP denunciou falta de medicação para doentes oncológicos no Hospital Dr. Nélio Mendonça, no Funchal, no mês de março, considerando que a escassez de medicamentos é "inaceitável".

O deputado do JPP Paulo Alves afirmou em conferência de imprensa no Funchal, que "a falta de medicação, especialmente para doentes oncológicos, é inaceitável e prejudicial".

De acordo com o parlamentar, há doentes que enfrentaram meses sem tratamento devido à escassez e falta de medicamentos, que resultaram em dificuldades financeiras adicionais devido ao custo dos fármacos em farmácias privadas.

"Estamos a falar de pessoas com rendimentos limitados, algumas sem trabalho, que enfrentam um acréscimo de despesas, na ordem dos 30 a 40 euros para medicação que o Serviço Regional de Saúde deveria fornecer, mas não o faz", afirmou.

O deputado recordou que o problema da falta de medicamentos no hospital do Funchal é recorrente, exigindo uma resposta por parte das autoridades de saúde da Madeira.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+