Emissão Renascença | Ouvir Online
A+ / A-

Caso das Gémeas. Lacerda Sales mantém "a consciência tranquila"

04 abr, 2024 - 09:05 • Teresa Almeida , João Malheiro

A marcação da primeira consulta de Neuropediatria no Hospital de Santa Maria, a 5 de dezembro de 2019 esteve na origem desta polémica.

A+ / A-
Lacerda Sales mantém "a consciência tranquila" sobre caso das gémeas

António Lacerda Sales mantém que continua com "a consciência tranquila" face à sua atuação no caso das gémeas, depois de conhecido o relatório da Inspeção-Geral das Atividades em Saúde (IGAS), que conclui que as bebés luso brasileiras terão tido acesso irregular ao remedio de quatro milhões de euros.

Em causa estará o pedido de Lacerda Sales, na altura secretário de Estado da Saúde, para a marcação da primeira consulta de neuropediatria no Hospital de Santa Maria, que não terá cumprido as regras legais.

À Renascença, o antigo governante diz não querer comentar, mas admite manter a posição de que não fez nada de errado.

"Na atividade política nunca comentei um relatório das atividades inspetivas ou judiciarias, muito menos o faria agora fora da atividade política como é obvio. Eu não conheço o relatório, ainda não o li. Fico a aguardar, com o maior respeito, e com os tempos próprios das entidades competente, todos os resultados", referiu, ainda.

A marcação da primeira consulta de Neuropediatria no Hospital de Santa Maria, a 5 de dezembro de 2019 esteve na origem desta polémica. Tratou-se de uma marcação que não terá respeitado as regras legais, que terão sido ultrapassadas por um telefonema efetuado por António Lacerda Sales.

Situação que incorre, segundo a IGAS, no não cumprimento das regras estabelecidas no artigo 8 da portaria nº14 de 2017 – conclusão, aliás, a que já tinha chegado auditoria interna do próprio hospital.

Segundo o "Correio da Manhã", a IGAS admite que tendo nacionalidade portuguesa, as crianças poderiam ter sido tratadas no SNS, mas a intervenção do Governo terá criado um eventual favorecimento no acesso ao tratamento.

Um caso que tem já aberto um inquérito no Ministério Público depois de suspeitas de que as crianças terão beneficiado de uma alegada cunha de Marcelo Rebelo de Sousa, que o Presidente da República sempre negou.

O relatório final da IGAS vai agora ser enviado ao Ministério Público, a quem compete apurar se foi cometido algum eventual crime no processo de tratamento das gémeas no SNS.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • ze
    04 abr, 2024 aldeia 13:15
    "Eles" devem lavar a consciência com lexivia.....para ficar sempre "limpa".....a vergonha nesta républica das bananas continua.Viva os compadrios, as corrupções,e as amizades par os tachos se irem mantendo......
  • Sara
    04 abr, 2024 Lisboa 12:48
    E agora?por que estas pessoas foram tão favorecidas, só aconteceu esta vez?ou será que houve muitos outros favorecimentos patrocinados pelos demais? Asneiras atrás de asneiras, corrupção sem fim, e o povo português que trabalha é sempre o mesmo a ser prejudicado
  • Joaquim Correto
    04 abr, 2024 Paços 12:33
    O Presidente da República está caladinho como um rato!

Destaques V+