Emissão Renascença | Ouvir Online
A+ / A-

IGAI abre processo a polícia que matou homem que o tentou sequestrar

03 abr, 2024 - 15:11 • Lusa

Inspeção-Geral da Administração Interna quer "apurar as circunstâncias em que foi utilizada arma de fogo".

A+ / A-

A Inspeção-Geral da Administração Interna (IGAI) abriu um processo de averiguação ao agente da PSP que matou a tiro um homem que alegadamente o tentou sequestrar e roubar na segunda-feira em Lisboa, indicou esta quarta-feira aquela entidade.

Numa resposta enviada à Lusa, a IGAI refere que foi "aberto um processo que se destina a apurar as circunstâncias em que foi utilizada arma de fogo, de que resultou uma morte".

Fonte oficial da Polícia de Segurança Pública avançou que logo na segunda-feira o comandante da Unidade Especial de Polícia (UEP) instaurou um processo disciplinar ao agente que pertence ao Corpo de Segurança Pessoal da UEP e que continua a desempenhar funções na área de apoio, não estando na atividade operacional.

Fonte da Polícia Judiciária, que está a investigar o caso, disse à Lusa que o serviço de prevenção de homicídios recebeu cerca das 05h00 de segunda-feira uma chamada da PSP a dar conta de que um polícia tinha atingido mortalmente um presumível suspeito de roubo na sua residência.

Segundo o relato feito à PJ, o agente foi abordado por um homem armado quando se encontrava na sua viatura particular parado nos semáforos na zona de Algés, no concelho de Oeiras.

O suspeito, de acordo com fonte da PJ, obrigou o agente a conduzir até uma zona descampada onde se juntou a mulher detida e os dois obrigaram-no a conduzir a viatura até sua casa.

Já na residência, em Benfica, o polícia conseguiu chegar à arma de serviço e atingiu mortalmente o homem, enquanto a mulher, que o esperava no exterior, acabou detida pela PSP.

Na segunda-feira, a PSP deteve a alegada cúmplice do homem morto na sequência da tentativa de sequestro e de assalto.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+