A+ / A-

MP acusa seis arguidos de tráfico internacional de drogas superior a 30 milhões

02 abr, 2024 - 17:39 • Lusa

Os arguidos atuavam "no seio de uma organização criminosa" que "comercializava grandes quantidades de cocaína, organizando, ainda, o seu transporte, por via marítima e/ou aérea, desde a América do Sul até à Europa".

A+ / A-

O Ministério Público (MP) deduziu acusação e requereu o julgamento de seis arguidos pelos crimes de tráfico agravado de estupefacientes, associação criminosa, falsificação de documentos e falsidade de declaração.

De acordo com a acusação do MP junto do Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP) na sua página na Internet, os seis arguidos, de nacionalidades portuguesa, brasileira, egípcia e croata, pelo menos desde finais de 2022 dedicaram-se ao tráfico internacional de estupefacientes.

Segundo o despacho, os arguidos atuavam "no seio de uma organização criminosa" que "comercializava grandes quantidades de cocaína, organizando, ainda, o seu transporte, por via marítima e/ou aérea, desde a América do Sul até à Europa".

Ainda com base na acusação, os arguidos, seguindo as orientações daquela organização, efetivaram um transporte de cerca de mil quilos de cocaína para a Europa, desde o Brasil, por via marítima.

Os arguidos foram detidos pela Polícia Judiciária a 15 de março de 2023, tendo-lhes sido apreendidas 41 embalagens, com o peso de 1.205 quilogramas com cocaína, em Vale Paraíso, nas imediações de Albufeira (Algarve).

Na sequência da operação, foram também arrestados nove imóveis e apreendidos cerca de um milhão e quatrocentos mil euros em dinheiro.

"Com a venda do estupefaciente apreendido seriam obtidos proventos monetários muito elevados, certamente superiores a trinta milhões de euros", refere o MP, acrescentando que "todos os arguidos acusados permanecem em prisão preventiva".

O inquérito foi dirigido pelo DCIAP, com a coadjuvação da Polícia Judiciária.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+