A+ / A-

Casos de tuberculose em Portugal acima da média da Europa Ocidental

22 mar, 2024 - 07:20 • Anabela Góis

Os homens são os mais afetados e a região de Lisboa e Vale do Tejo regista a maior incidência de casos, com 17,8 em 100 mil habitantes.

A+ / A-

Portugal tem mais casos de tuberculose do que a média dos países da Europa Ocidental. São dados do mais recente Relatório de Vigilância e Monitorização da Tuberculose, divulgado esta sexta-feira pela Direção-Geral de Saúde (DGS).

Os dados, relativos a 2022, apontam para 13,4 casos por 100 mil habitantes, em território português. Os homens são os mais afetados e a região de Lisboa e Vale do Tejo regista a maior incidência de casos, com 17,8 em 100 mil.

Na região Norte há, igualmente, números acima da média portuguesa, com 15,8 casos por 100 mil habitantes. Na população imigrante verificou-se aumento da proporção de casos..

De acordo com o estudo, estes dados ameaçam as metas internacionais para 2035. À Renascença, Isabel Carvalho, diretora do Programa Nacional para a Tuberculose da DGS, diz que o objetivo é "descer a um valor percentual" e refere, que, os números têm aumentado junto da população mais frágil.

"Se tivermos uma proporção crescente de pessoas que têm tuberculose ativa, que é o que está a acontecer em Portugal, que pertencem a grupos mais vulneráveis nós podemos – e é o que temos feito - atuar juntos destes grupos para impedir que eles desenvolvam a doença. É isso que tem que ser ainda mais trabalhado para que a descida da curva seja mais acentuada", aponta.

A especialista refere que, para acelerar a redução de casos, a estratégia "não pode ser apenas identificar quem está doente", mas também "procurar quem ainda não está doente, para que não seja o futuro caso, ou seja, quem está infetado e oferecer tratamento preventivo".

O número de dias até ao diagnóstico da tuberculose anda em média nos 82 dias, o que continua a ser muito tempo para Isabel Carvalho.

"Consideramos que a tuberculose não existe, não pensamos nela e protelamos a procura de ajuda. Para além disso, há outro problema que é os profissionais de saúde também pensarem em tuberculose. Claro que o maior peso no atraso é responsabilidade do utente e há vários fatores que podem contribuir para isso, um deles é a perceção de que temos sintomas", realça.

No entanto, a especialista da DGS reconhece que há, igualmente, dificuldade "no acesso aos cuidados de saúde". Por isso, o objetivo será "reestruturar e tornar mais robusta a resposta dos cuidados de saúde" e "centralizar a consulta de tuberculose na comunidade, próxima dos utentes, próxima da família dos conviventes, algo comunitário".

"Mas, por outro lado, o que nós também precisamos é que exista toda uma interligação com as várias estruturas, que é o que temos feito cada vez mais, com as estruturas de apoio ao imigrante, com as estruturas de apoio às pessoas com dependências", destaca, ainda.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+