A+ / A-

Operação "Limpeza Profunda - Take VII"

Quatro detidos no aeroporto de Lisboa e apreendidas mais de 500 mil doses de cocaína

21 mar, 2024 - 13:38 • Lusa

Três dos suspeitos detidos eram "funcionários de empresas prestadoras de serviços" no aeroporto de Lisboa e tinham a função de "retirar a droga diretamente do porão dos aviões logo após a sua chegada, evitando, dessa forma, a fiscalização das autoridades".

A+ / A-

A Polícia Judiciária (PJ) deteve três cidadãos portugueses e um estrangeiro no Aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, por suspeitas de tráfico de droga, e apreendeu mais de 500 mil doses de cocaína, revelou esta quinta-feira o órgão de polícia criminal.

Numa nota enviada à comunicação social, a PJ explica que a operação "Limpeza Profunda - Take VII" teve lugar "nos últimos dias", na sequência de uma investigação da Unidade Nacional de Combate ao Tráfico de Estupefacientes (UNCTE) - com o apoio da Divisão de Segurança Aeroportuária da PSP -, estando o inquérito a ser conduzido pelo Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) de Lisboa.

Segundo a PJ, três dos suspeitos detidos eram "funcionários de empresas prestadoras de serviços" no aeroporto de Lisboa e tinham a função de "retirar a droga diretamente do porão dos aviões logo após a sua chegada, evitando, dessa forma, a fiscalização das autoridades".

A cocaína apreendida era proveniente de África e correspondia a cerca de 552 mil doses individuais, tendo ainda sido apreendidos pelas autoridades um automóvel, telemóveis, documentos e uma arma de calibre reservado às forças policiais.

A investigação visa a atividade de grupos criminosos ligados à introdução de droga em território português através do transporte aéreo regular.

Os quatro homens estão "fortemente indiciados" pelo crime de tráfico ilícito de estupefacientes e ficaram em prisão preventiva após o primeiro interrogatório judicial.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+