A+ / A-

Homem nega crime de homicídio e confirma o de profanação de cadáver no Cadaval

18 mar, 2024 - 19:43 • Lusa

Confrontado com a acusação do Ministério Público, o homem de 52 anos disse ao coletivo de juízes que "nem tudo o que lá está é verdade".

A+ / A-

O homem acusado de homicídio e profanação de cadáver do namorado no Cadaval, em 27 de abril de 2023, negou hoje o primeiro crime e confirmou o segundo, na primeira sessão do julgamento no Tribunal de Loures.

O único arguido do processo disse que não matou o homem com quem manteve uma relação amorosa durante mais de 10 anos e com quem tinha começado a viver em abril de 2023, explicando que ele consumiu estupefacientes e começou a "vomitar, morrendo à sua frente" de alegada "overdose", em casa.

O arguido confirmou os restantes factos da acusação, entre os quais o de ter esquartejado a vítima para se desfazer do corpo, para não vir a ser responsabilizado criminalmente.

Admitiu ainda que não conseguiu transportar o corpo para fora da sua casa, pelo que decidiu separá-lo em diversas partes, que meteu em sacos de plástico pretos e colocou em vários locais isolados com a ajuda de outra pessoa, que não quis identificar.

A negação do crime de homicídio contraria as declarações que prestou em maio de 2023, após ter sido detido, quando assumiu à Polícia Judiciária e ao juiz de Instrução Criminal a autoria dos crimes, mostrando-se arrependido e apontando à PJ os locais para onde tinha atirado os sacos, reconstituindo os factos.

O julgamento continua em 8 de abril.

Segundo a acusação deduzida em 24 de outubro, e a que a agência Lusa teve acesso, o arguido e a vítima, de nacionalidade brasileira, conheceram-se em 2007 quando o suspeito o ajudou a tratar do processo de legalização em Portugal e mantinham desde esse ano uma relação amorosa.

Por se encontrar em "situação económica débil", a vítima pedia com frequência dinheiro ao arguido para pagar a pensão de alimentos das filhas, a prestação do empréstimo do seu veículo e despesas de alimentação, ameaçando terminar a relação se não o ajudasse.

Tendo em conta as pressões da vítima, descreve a acusação, o autor dos crimes "foi-se convencendo cada vez mais" de que o namorado apenas mantinha a relação para poder obter benefícios económicos" e passou a desconfiar dele, controlando os seus movimentos.

Em 26 de abril desse ano recusou ajudá-lo, o que terá levado a vítima a humilhá-lo, com ofensas verbais, e a deixá-lo revoltado.

De acordo com a acusação, após ponderar matar o companheiro, muniu-se de uma marreta e, enquanto o companheiro dormia, desferiu-lhe com força pelo menos três pancadas na cabeça, causando-lhe várias lesões e hemorragia cerebral e, por conseguinte, a morte.

Por ter trabalhado na morgue do Cadaval e ter experiência no corte de cadáveres, esquartejou o corpo "para dele se desfazer de forma mais fácil" e colocou-o em sacos de plástico.

Já na madrugada do dia 28, transportou no seu veículo os vários sacos, atirou-os para diferentes locais isolados e regressou a casa, assim como escondeu num terreno parte do colchão manchado de sangue onde a vítima se encontrava a dormir.

Depois, regressou a casa e lavou a viatura, roupas, o chão e as paredes da casa, os móveis, as facas e o serrote que usou, para tentar esconder as provas do crime, indica o documento.

A descoberta por populares de um saco com parte de um corpo, na noite do dia 02 de maio, alertou a Polícia Judiciária, que começou a investigar o caso, encontrando depois mais sacos.

A existência de tatuagens em várias partes do corpo, uma das quais com referências à bandeira nacional do Brasil, permitiram às autoridades identificar a nacionalidade da vítima.

Três dias depois da descoberta do primeiro saco, a PJ deteve o suspeito, que, após ser presente a tribunal, ficou a aguardar julgamento em prisão preventiva no Estabelecimento Prisional de Lisboa.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+