Tempo
|
A+ / A-

Militares admitem protestos na rua se também não receberem aumentos do Governo

23 fev, 2024 - 09:35 • João Malheiro

A Associação Nacional de Sargentos (ANS) indica que "nenhuma ação está posta de parte", depois das eleições.

A+ / A-

Os sargentos admitem sair à rua em protesto se o Governo aumentar o subsídio de risco das forças de segurança, mas esquecer o exército.

Segundo o jornal "Expresso", a Associação de Oficiais das Forças Armadas (AOFA) avisa que os quartéis estão em "efervescência" pelo tratamento diferenciado entre tropa e as forças da PSP e GNR.

A Associação Nacional de Sargentos (ANS) indica que "nenhuma ação está posta de parte", incluindo demonstrações na rua, depois das eleições.

O Presidente da República recebeu a AOFA em Belém, na última semana. Marcelo Rebelo de Sousa já expressou a necessidade dos militares recuperarem rendimentos, mas os militares lamentam que, recentemente, o chefe de Estado tenha apenas dado razão à polícia e querem uma intervenção clara.

O Orçamento do Estado para este ano fez equivaler o suplemento da condição militar ao subsídio de risco da GNR. Contudo, os militares queixam-se da GNR ter recebido mais um ano de retroativos do que a tropa.

Em dezembro, à Lusa, o almirante Gouveia e Melo já tinha avisado que "quem não tem direito a manifestar-se deve ser protegido", porque "pode causar uma distorção tão grande que poderá ser perigoso para o sistema".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+