Tempo
|
A+ / A-

FNAM diz que queixas de violência sobre médicos caem "em saco roto"

12 fev, 2024 - 10:14 • Ana Fernandes Silva

Direção-Geral da Saúde indica que em 2023 houve menos episódios de violência contra profissionais do SNS face aos anos anteriores.

A+ / A-

A presidente da Federação Nacional dos Médicos (FNAM), Joana Bordalo e Sá, diz que o número de ações violentas contra médicos e outros profissionais do SNS "mesmo parecendo ser inferior em relação aos anos anteriores, é demais" e, não corresponde à realidade.

Dados da Direção-geral da Saúde revelados esta segunda-feira pelo jornal Público apontam para 1.036 queixas em 2023, o que representa menos episódios do que nos últimso anos.

"Muitas vezes as queixas acabam por não ser apresentadas", diz Joana Bordalo e Sá à Renascença.

"A noção que fica por parte dos médicos é que caem em saco roto", argumenta. "É como se não valesse a pena as pessoas apresentarem queixa."

Bordalo e Sá defendeu que a chave para enfrentar o problema é a prevenção: "Temos que ter uma solução para quando isso acontece, mas as estratégias a serem desenvolvidas têm que ser no sentido da prevenção."

"As soluções passam acima de tudo por haver mais médicos e melhores condições de trabalho", remata.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • António Silva
    12 fev, 2024 Braga 14:32
    E têm razão ok! E as denúncias contra os erros médicos, não caem também em saco roto! E essa impunidade não devia também acabar? Minha opinião.

Destaques V+