Emissão Renascença | Ouvir Online
A+ / A-

Associação pede mais reflexão nos projetos-piloto para serviços de urgência

10 fev, 2024 - 09:33 • Lusa

Os primeiros projetos-piloto anunciados foram os das Unidades Locais de Saúde (ULS) de Santa Maria, São José, Coimbra, São João e Santo António.

A+ / A-

A associação dos Centros de Responsabilidade Integrados (CRI) considera que os projetos-piloto para as urgências com equipas dedicadas devem merecer mais reflexão, alertando que se trata de um serviço com "várias condicionantes".

Em declarações à Lusa, João Varandas Fernandes, que dirige o CRI de Traumatologia Ortopédica do Centro Hospitalar Universitário de Lisboa Central e está à frente da associação, lembra que a urgência "tem uma caracterização múltipla e tem várias condicionantes, quer no acesso quer na resposta", assim como "alguma escassez de profissionais".

"Existe, acima de tudo, uma organização com décadas de funcionamento que está em colapso e, portanto, há uma necessidade de um plano de emergência para criar respostas e responsabilidade partilhada", afirmou.

Os CRI são estruturas dependentes dos conselhos de administração dos hospitais, mas assumem compromissos de desempenho assistencial, económico e financeiro -- como acontece com as Unidades de Saúde Familiar.

No final de janeiro foi publicada a portaria que define as novas regras e incentivos a atribuir aos CRI integrados com equipas dedicadas ao Serviço de Urgência (CRI-SU).

Os primeiros projetos-piloto anunciados foram os das Unidades Locais de Saúde (ULS) de Santa Maria, São José, Coimbra, São João e Santo António.

A este respeito, Varadas Fernandes sublinha a necessidade de maior ponderação nesta opção de CRI nas urgências, lembrando que se trata de um serviço que envolve várias especialidades, vários profissionais de saúde e que tem atividade 365 dias por ano.

"Resta saber como é que os vamos fazer [a estes CRI]. Se os vamos fazer numa única especialidade base, que será a medicina interna, se os vamos fazer em todas as especialidades que prestam o serviço de urgência, se vamos fazer com todos os profissionais que prestam um serviço de urgência", afirmou.

O responsável disse ainda que a academia já está a estudar esta matéria e que há vários estudos sobre o funcionamento dos CRI no serviço de urgência que podem ser usados para apoiar nas decisões.

Segundo a portaria publicada em janeiro, esta nova geração de CRI aproveita a experiência adquirida com os mais de 40 que já existiam e renova o modelo, o que permitirá potenciar os ganhos em saúde e a fixação de profissionais no serviço público de saúde. .

Os CRI-SU contarão com médicos, enfermeiros, assistentes técnicos e técnicos auxiliares de saúde que trabalhem em exclusivo no serviço de urgência, mas cada instituição poderá decidir incluir outras profissões, segundo as necessidades identificadas a nível local.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+