Emissão Renascença | Ouvir Online
A+ / A-

Polícia brasileira investiga caso de adoção clandestina de bebé para Portugal

06 fev, 2024 - 18:39 • Lusa

O bebé deixado em Portugal foi localizado ainda na maternidade e encontra-se sob os cuidados das autoridades e rede de proteção à criança.

A+ / A-

A Polícia Federal brasileira cumpriu esta terça-feira mandados judiciais em São Paulo e Curitiba no âmbito de uma investigação sobre adoção clandestina para Portugal, uma operação inserida no combate ao tráfico internacional de pessoas.

Em comunicado, a polícia brasileira informou que as ações tiveram lugar nas cidades de São Paulo e Curitiba.

Segundo a mesma nota, as investigações até o momento apontaram que "uma cidadã brasileira, residente na cidade de Curitiba, teria negociado a venda de seu filho, ainda no ventre, para um cidadão português, tendo a mulher viajado para Portugal poucos dias antes da data do parto e dado à luz a criança naquele país". Logo após o parto, "ela retornou ao Brasil e deixou a criança no país europeu", acrescenta-se.

A ação, nomeada pelas autoridades brasileiras de operação Mater Avaritia, contou com o apoio da INTERPOL e da polícia portuguesa, com diligências realizadas em Portugal.

A Polícia Federal brasileira também informou que "foi instaurado um novo procedimento investigatório criminal pelas autoridades portuguesas, no qual os suspeitos passaram a ser também investigados pela prática de crimes relacionados ao tráfico internacional de pessoas praticados na Europa".

O bebé deixado em Portugal foi localizado ainda na maternidade e encontra-se sob os cuidados das autoridades e rede de proteção à criança de Portugal, de acordo com o comunicado.

A polícia brasileira destacou ainda que as investigações prosseguem para identificar outras pessoas que possam ter de alguma forma participado ou auxiliado na negociação e encaminhamento do bebé brasileiro para Portugal, bem como na identificação de outras negociações semelhantes, envolvendo crianças brasileiras que possam ter sido intermediadas pelo grupo criminoso investigado.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+