A+ / A-

Movimento Civil para a Agricultura

"Não tem data de fim". Protesto dos agricultores portugueses pode estar para durar

01 fev, 2024 - 10:50 • André Rodrigues , Olímpia Mairos , João Malheiro

Porta-voz do movimento que convocou mobilização nacional diz sentir "orgulho na união demonstrada" neste momento "catastrófico" para a agricultura. António Saldanha considera que "estão cumpridos todos os objetivos" de um protesto que pode prolongar-se para lá desta quinta-feira.

A+ / A-

Veja também:


Pode estar para durar o protesto dos agricultores portugueses iniciado esta quinta-feira.

“É um protesto que não tem data de fim”, admite à Renascença António Saldanha, um dos porta-vozes do Movimento Civil para a Agricultura.

Num balanço das primeiras horas de mobilização nacional em várias estradas e junto às principais fronteiras com Espanha, este agricultor diz sentir “muito orgulho na união demonstrada nesta hora difícil de todos os agricultores portugueses”.

Este é um momento catastrófico para a agricultura e, neste momento, todos os objetivos que nós queríamos estão cumpridos, até ao momento”, acrescenta.

Questionado sobre o que poderá reverter um possível prolongamento da contestação, António Saldanha reclama “o pagamento dos valores que são devidos pelo Estado português e a garantia de uma estabilidade futura no setor”.

Em resposta ao anúncio de mais de 400 milhões de euros em apoios para a agricultura, feito pela ministra Maria do Céu Antunes, o porta-voz do Movimento Civil para a Agricultura responde que os produtores “não pagam as contas com promessas”.

"Queremos dizer que existimos"

Já em Barca d'Alva também os agricultores esperam que o protesto se prolongue pelo resto do dia. À Renascença, um dos manifestantes, José Duarte, refere que os agricultores querem dizer ao país "que existimos".

"Vamos continuar e exigir que o nosso Governo e o Estado nos dê o mínimo de condições para continuarmos a trabalhar nesta profissão", diz.

O agricultor garante que não faltam forças para manter o protesto e a fronteira continuará bloqueada "até sermos ouvidos por toda a gente, compreendidos por toda a gente" e as reivindicações "acatadas pelo nosso Governo".

Em Barca d'Alva, a fronteira está encerrada desde o início da manhã. Muitos camionistas espanhóis já tiveram de inverter marcha, por não haver autorização para entrarem em Portugal.

Veja os protestos dos agricultores pelo ar
Protestos dos agricultores vistos pelo ar
Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Petervlg
    01 fev, 2024 Trofa 12:28
    uma vergonha, estes agricultores de meia tigela. são como políticos, querem é roubar o povo.

Destaques V+