A+ / A-

Greve na segurança privada é "um grito coletivo de justiça e equidade"

19 jan, 2024 - 11:14

Estão em greve de 48 horas os trabalhadores afetos à ASSP - a Associação Sindical da Segurança Privada. Exigem aumentos salariais de 9,5% para os profissionais do setor, assim como a melhoria nas condições laborais dos trabalhadores.

A+ / A-

"Os vigilantes estão descontentes". Fábio Miranda, presidente da Assembleia Geral da Associação Sindical da Segurança Privada, começa por lamentar os aumentos que as associações de empresas do sector quiseram negociar com os sindicatos.

"Sugeriram aumentos significativos, mas na realidade, eram outros. Aumentos de 5,5 por cento, quando nós propusemos 15 por cento. Contudo, e depois de ouvidos os nossos associados, decidimos não baixar dos 9,5 por cento", diz este sindicalista.

A Associação exige também "o fim da precariedade laboral na segurança privada, o fim do regime de adaptabilidade de 6 dias, a majoração do trabalho efetuado aos domingos em 50% e a igualdade no subsídio noturno para todos os trabalhadores".

Da parte das empresas, a recetividade a estas exigências foi nula.

"Nenhuma. Uma das associações de empresas de segurança privada praticamente terminou logo ali as negociações, quando falámos de aumentos de 9,5 por cento. Posteriormente, assinaram um contrato coletivo de trabalho com um outro Sindicato do sector, que prevê aumentos de 5,5 por cento", garante Fábio Miranda, que deixa uma pergunta.

"Nós sabemos que o governo estabeleceu 5 % de aumento para tudo o que ia para alem da contratação coletiva, por isso, estão a dar-nos o quê, mais meio por cento?"

O presidente da Assembleia Geral da Associação Sindical da Segurança Privada lembra que a dificuldade económica afeta todas as famílias, e que a dos vigilantes de segurança privada não é exceção.

"Também queremos condições dignas, e é por isso que estamos aqui".

Para além da greve, houve esta manhã uma concentração de protesto frente à sede da AESIRF - Associação Nacional das Empresas de Segurança, na zona de Benfica. Já no Porto, os profissionais reuniram-se diante da Prestibel, na zona das Antas, onde fica a presidência da mesma associação. Em Portimão, concentraram-se frente ao Centro Comercial Aqua.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Joaquim Teigao
    21 jan, 2024 Evora 08:51
    Esta do aumento foi a gota de agua num sector povoado de ilegalidades,basta ver que já foi apanhado um cartel que cozinhava preços em adjudicações de milhões,que o estado contrata empresas com venda com prejuízo o que por lei é proibido,dando a entender que existe muita corrupção entre empresas estado concursos públicos,claro depois os vigilantes pagam a fatura com todo o tipo de roubo no seu salário,tudo é publico nada é novidade...o sector atravessa a maior crise de sempre e falamos de segurança ou insegurança?!

Destaques V+