Emissão Renascença | Ouvir Online
A+ / A-

MP arquiva casos de assédio do Politécnico do Porto por falta de queixa das ofendidas

11 jan, 2024 - 22:04 • Lusa

A Federação Académica do Porto (FAP) declarou "tolerância zero" aos casos de assédio referentes a três professores do IPP, afirmando ser "manifestamente insuficiente" a suspensão até 200 dias de dois professores.

A+ / A-

O Ministério Público (MP) arquivou o inquérito aberto na sequência de casos de assédio sexual comunicados pelo Politécnico do Porto devido à falta de queixa das ofendidas, disse hoje fonte da Procuradoria-Geral da República (PGR) à Lusa.

"O inquérito conheceu despacho de arquivamento, por falta de legitimidade do Ministério Público para o exercício da ação penal, uma vez que os crimes denunciados são de natureza semipública e as ofendidas não formalizaram a necessária queixa", pode ler-se numa resposta da PGR à Lusa.

Em causa está o encaminhamento para o MP, pelo Instituto Politécnico do Porto (IPP), dos processos originados na sequência de casos de assédio sexual denunciados em abril do ano passado, que culminaram no despedimento de um docente e na suspensão de dois por 200 e 90 dias, respetivamente.

"Após parecer favorável do Conselho Geral do Politécnico, o presidente [Paulo Pereira] determinou aplicação das referidas penas aos três docentes da Escola Superior de Educação", refere um comunicado do Politécnico divulgado na quarta-feira.

Os processos foram ainda, "e em função dos factos provados, comunicados ao Ministério Público".

Em abril de 2023, os docentes tinham sido suspensos preventivamente, na sequência de queixas recebidas no dia 18 daquele mês.

O Politécnico do Porto salientou que "mantém o seu posicionamento muito assertivo sobre matérias desta natureza, designadamente não tolerar qualquer tipo de comportamentos que envolvam assédio".

"O assédio é inaceitável e não é tolerado de nenhuma forma, pelo que o Politécnico se mantém atento e promove vários mecanismos de denúncia e combate a comportamentos desta natureza", refere a instituição.

Hoje, a Federação Académica do Porto (FAP) declarou "tolerância zero" aos casos de assédio referentes a três professores do IPP, afirmando ser "manifestamente insuficiente" a suspensão até 200 dias de dois professores.

"A FAP considera que o momento que estamos a viver exige tolerância zero perante situações de abuso e discriminação no sistema de Ensino Superior", acrescenta.

Para a federação, a proposta de suspensão até 200 dias é "manifestamente insuficiente, tendo em conta os factos provados".

O comportamento daqueles docentes, "além de poder constituir crime, também envergonha a academia do Porto e o ensino superior português e não pode acolher qualquer tipo de tolerância", argumenta a FAP.

As instituições de ensino superior têm de ser "espaços seguros de democracia e liberdade", promovendo-se o conhecimento científico, mas "também a cidadania, baseada no respeito pela dignidade humana".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+