A+ / A-

Baixas médicas

Cerca de 80 professores terão baixas irregulares

09 jan, 2024 - 09:02

Das 7.500 juntas médicas previstas, 400 terminaram a avaliação. Cada uma delas analisa, em média, a baixa de um professor.

A+ / A-

Das 7.500 juntas médicas que deviam analisar as baixas dos professores, 400 já terminaram essa verificação e, segundo o Ministério da Educação, em cerca de 20% dos casos foram detetadas irregularidades. Do lado dos professores, o dedo é apontado ao Governo: a legislação em vigor é de 1989 e muitas das doenças incapacitantes que justificam as baixas médicas não estavam previstas nesse despacho - um alerta que já tinha sido feito pela Provedora da Justiça. A notícia é avançada pelo Público.

Segundo aquele jornal, que cita o ministério de João Costa, entre as 400 juntas que verificaram situações de mobilidade por doença ou baixa prolongada (cada junta analisa, em média, uma baixa) no setor dos professores, foram detetados pelo menos 80 casos irregulares. A conclusão é avançada pelo próprio ME numa resposta ao jornal "Público".

A mobilidade por doença possibilita aos docentes que sofram de uma patologia grave ou que tenham um familiar próximo nessa condição que sejam colocados numa escola perto de casa ou do centro hospitalar onde o tratamento é feito. No ano letivo atual cerca de 4.107 professores estão abrangidos por este regime.

A Associação Portuguesa de Professores em Mobilidade por Doença revelou ainda ao "Público" que o chumbo dos professores nas juntas médicas se deve, em parte, à inadaptilidade do uso da legislação em vigor. Trata-se de um despacho de 1989 que elenca as doenças incapacitantes e que levam muitos docentes a não beneficiar de mobilidade por doença.

Em março de 2023, uma recomendação enviada ao ministro da Educação pela provedora da Justiça, defendeu a necessidade de ser feita uma revisão do elenco das doenças incapacitantes, defendendo que o uso do despacho de 1989 já não é adequado. A recomendação da provedora surgiu na sequência de várias queixas sobre as regras para a mobilidade por doença aprovadas em junho de 2022, que se traduziram numa restrição do acesso a este regime.


Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+