Tempo
|
A+ / A-

Associação Lisbonense de Proprietários

Habitação. Pedro Nuno "transformou o PS num Bloco de Esquerda - parte II"

08 jan, 2024 - 11:58 • André Rodrigues

Em causa está a proposta do líder socialista para os novos aumentos das rendas que terá de ter em conta a evolução dos salários quando a inflação superar os 2%. "Não é assim que as coisas funcionam num estado de direito", avisa Luís Menezes Leitão.

A+ / A-

O presidente da Associação Lisbonense de Proprietários (ALP) acusa Pedro Nuno Santos de querer “pôr os senhorios a fazer a Segurança Social dos inquilinos”.

Em causa está a intenção do novo líder do PS de indexar a atualização das rendas ao aumento dos salários.

Durante o fim de semana, no congresso socialista em Lisboa, Pedro Nuno Santos explicou que, quando a inflação é igual ou inferior a 2%, a atualização das rendas continuará a ser feita como até aqui. Já se a inflação for superior a 2%, o candidato do PS às legislativas de março, propõe que seja tida em conta a capacidade das famílias para suportar esse custo, através da evolução salarial.

“Não é assim que as coisas funcionam num estado de direito”, contrapõe Luís Menezes Leitão: "também não se diz aos supermercados que não podem subir os preços, a não ser que os salários aumentem, porque se fizerem isso, os supermercados fecham todos”.

Com este anúncio de Pedro Nuno Santos, o presidente da ALP diz não ter dúvidas de que, com esta nova liderança, o PS “transformou-se num Bloco de Esquerda – parte II”.

Entrevistado pela Renascença, Menezes Leitão considera, mesmo, que, caso venha a ser aplicada, esta medida “será muito pior do que o congelamento das rendas que chegou a ser proposto por este Governo e de que houve o bom senso para recuar”.

"Ninguém está disponível para ser apanhado numa armadilha de rendas congeladas. Por muito que o dr. Pedro Nuno Santos queira fazer Segurança Social com os bens dos outros, nós estamos num Estado de Direito... mas, enfim, nós estamos à espera disso e muito pior”, remata Menezes Leitão.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • José J C Cruz Pinto
    08 jan, 2024 Ílhavo 13:37
    Mas deixando as rendas aumentar como, quanto e quando os proprietários quiserem já está mais de acordo com o funcionamento de um estado de direito? É isso? Por que suas excelências, os proprietários, não alugam as suas casas uns aos outros ao preço que mais lhes convenha? Já poderiam então aumentar as rendas todos os anos à vontade sem ninguém se queixar, e o Estado, finalmente, poderia também taxá-los mais à vontade! O que preferem?
  • Alexandre
    08 jan, 2024 Lisboa 13:13
    O porta voz dos especuladores imobiliários, parasitas e sangue sugas, deve desconhecer o que seja um ESTADO DE DIREITO, gostam de ter direitos, mas recusam DEVERES.

Destaques V+