Emissão Renascença | Ouvir Online
A+ / A-

Encerrados quase mil lares de idosos em nove anos

19 dez, 2023 - 09:19 • Henrique Cunha , Olímpia Mairos

Presidente da CNIS defende que “é preciso encarar a proteção social como um direito universal” e “criar respostas suficientes para as necessidades”.

A+ / A-

Quase mil lares de idosos foram encerrados em nove anos. Destes, 155 foram fechados de urgência pela Segurança Social, que participou quase 300 crimes de desobediência ao Ministério Público. A maioria destes lares não tinha licença.

Segundo dados divulgados esta terça-feira pelo Jornal de Notícias, que cita o Instituto da Segurança Social, só desde o início do ano e até ao final de outubro, 81 lares foram encerrados, dos quais 77 funcionavam de forma irregular.

Para o presidente da Confederação das Instituições de Solidariedade Social (CNIS), padre Lino Maia, o encerramento de lares clandestinos ou sem licença é fruto da falta de respostas.

Em declarações à Renascença, Lino Maia afirma que nos lares de Instituições de solidariedade “há sempre listas de espera significativas” e na sua opinião a ausência de respostas ajuda a promover o aparecimento de lares clandestinos.

“Nós temos, normalmente, nos lares das IPSS, que esses são legalizados e funcionam bem, listas de espera muito significativas e as pessoas, pressionadas porque não conseguem acesso a um lar legalizado ou a um lar de uma IPSS, acabam por recorrer a esses lares”, explica.

"Isso também favorece um bocado um certo comércio, um certo mercado."

“Como não há respostas suficientes em lares legalizados, há sempre pessoas que vão experimentando abrir lares para acolherem essas pessoas”, sinaliza.

Para o presidente da CNIS, o facto de quase mil lares de idosos terem fechados nos últimos nove anos é resultado da fiscalização. Na visão do padre Lino Maia “é preciso criar mais lares no sector social solidário” e reconhecer “a proteção social como um direito universal”.

"Nós temos enfiado a cabeça na areia, porque é evidente que o ideal seria que as pessoas se mantivessem em suas casas, entre as paredes que ergueram e os efeitos que solidificaram, mas nem sempre isso é possível, até porque muitas vezes estas pessoas mais dependentes, diminuídas já nas suas faculdades, acabam por não ter uma retaguarda de apoio e, portanto, nós precisamos de bastantes mais lares para estas pessoas."

“É preciso encarar a proteção social como um direito universal e, portanto, não enfiarmos a cabeça na areia e criarmos, de facto, respostas suficientes para as necessidades”, remata o presdiente da CNIS.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Americo
    19 dez, 2023 Leiria 13:56
    Boa tarde. Na minha modesta opinião, acho que "fechar" lares é "fácil". A segurança social devia, nestes casos, criar as condições para os utentes continuarem nos lares e transferir para os proprietários os custos dessas condições. Em última análise tomar posse administrativa dos lares e vendê-los em haste pública, que serviria de exemplo. Assim, "despejar" os utentes só trás mais "problemas" para os respectivos familiares. Obrigado.

Destaques V+