Emissão Renascença | Ouvir Online
A+ / A-

Cimeira do Clima

COP28. Mortágua critica acordo de "mínimo dos mínimos" e "de alçapões"

13 dez, 2023 - 11:44 • Lusa

"Esta COP pode ter superado o seu impasse, mas ela o que conseguiu foi um acordo de alçapões e os alçapões não nos vão proteger das alterações climáticas", alertou a coordenadora do BE.

A+ / A-

A coordenadora do BE criticou o acordo alcançado na Cimeira do Clima COP28 por ser "o mínimo dos mínimos" e "de alçapões" que deixa o mundo desprotegido das alterações climáticas, considerando que também em Portugal "há muito por fazer" nesta área.

"A prova do fracasso da COP é que só à 25.ª hora, já depois do tempo regulamentar, é que foi possível chegar a um acordo que é o mínimo dos mínimos e que usa a expressão "transição para fora dos combustíveis fósseis" para evitar a expressão que se esperava e que é defendida pela ONU que é eliminação gradual dos combustíveis fósseis", condenou Mariana Mortágua, numa conferência de imprensa na sede do BE, em Lisboa.

Sublinhando que a COP28 "não chegou a um acordo para a eliminação dos combustíveis fósseis", a líder do BE avisou que, mesmo que este acordo seja cumprido, o que nunca aconteceu até hoje, o mundo está perante um "aquecimento que é o dobro daquele previsto nas metas do acordo de Paris".

"Esta COP pode ter superado o seu impasse, mas ela o que conseguiu foi um acordo de alçapões e os alçapões não nos vão proteger das alterações climáticas", alertou.

Mariana Mortágua deixou claro que "havia muito poucas ilusões" em relação a um conferência que foi organizada nos Emirados Árabes Unidos, um país "cuja fortuna provém da exploração de petróleo" e cujo presidente lidera também "uma empresa que explora petróleo", referindo ainda que nos corredores da COP circularam "2.500 lobistas da área do petróleo e dos combustíveis fósseis".

"Da mesma forma que o mundo não se pode satisfazer com um acordo que está abaixo dos mínimos e que mesmo se for cumprido não consegue cumprir as metas do acordo de Paris, Portugal também não se pode contentar com a evolução que tem feito ao nível das energias renováveis. Há muito por fazer em Portugal", apontou.

Em termos nacionais, a bloquista referiu que a lei de bases do clima, aprovada em 2021, ainda não foi regulamentada, para além do território, a agricultura e a gestão dos recursos hídricos não estarem adaptados "à seca extrema que Portugal já está a viver".

A permissão de "crimes ambientais como os "resorts´ de luxo" e o "consumo espúrio e supérfluo de bens de luxo que são responsáveis pela poluição como por exemplo os jatos privados" são outras das críticas de Mortágua, que apontou ainda o dedo à indústria poluidora que se mantém em Portugal.

Os países reunidos na cimeira do clima aprovaram hoje "por consenso" uma decisão que apela a uma "transição" no sentido de abandonar os combustíveis fósseis, anunciou o presidente da COP28, no Dubai.

Na abertura da sessão plenária de encerramento, os delegados adotaram a decisão preparada pelos Emirados Árabes Unidos, que foi aplaudida.

Trata-se de uma "decisão histórica para acelerar a ação climática", afirmou Sultan Al Jaber, presidente da conferência da ONU.

Em reação a este acordo, o secretário-geral da ONU, António Guterres, afirmou entretanto que este reconhece, "pela primeira vez", a necessidade de abandonar os combustíveis fósseis.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+