Tempo
|
A+ / A-

"Situação dramática"

Ordem dos Médicos lança "estudo exaustivo" sobre 50 maternidades portuguesas

08 dez, 2023 - 09:01 • Lusa

Carlos Cortes anunciou uma comissão para estudar unidades públicas e privadas. Para o bastonário da Ordem dos Médicos, a reposta do atual governo para a questão da obstetrícia é um "absoluto fracasso".

A+ / A-

A Ordem dos Médicos criou uma comissão para fazer a avaliação de cerca de 50 maternidades públicas e privadas do país perante "o cenário de fracasso absoluto" do Ministério da Saúde nesta matéria, revelou esta sexta-feira à Lusa, Carlos Cortes, bastonário.

"Vai ser um estudo exaustivo, tanto pela sua dimensão, são 50 locais de nascimento, como também pela profundidade do estudo, mas a Ordem dos Médicos entendeu que, já que o Ministério da Saúde não faz adequadamente o seu trabalho nesta matéria, devia dar um contributo técnico-científico numa matéria extremamente sensível e que já está há demasiado tempo com graves dificuldades", disse Carlos Cortes.

Para o bastonário, o programa do Governo "está-se a revelar um absoluto fracasso" em termos de resposta na área da obstetrícia.

"Nós temos situações absolutamente dramáticas de não resposta, por exemplo, na grande Lisboa, no hospital São Francisco Xavier" que está a receber as grávidas do Hospital de Santa Maria, cuja maternidade está encerrada devido a obras.

O bastonário contou que esteve na quarta-feira num hospital de Leiria, "que está também a passar por uma situação dramática", em que de quinta-feira a domingo não tem resposta nesta área. .

A comissão é composta por vários colégios, nomeadamente de ginecologia-obstetrícia, anestesiologia, pediatria, neonatologia, e contará com o apoio da Universidade do Porto, porque vai haver também um estudo estatístico.

Segundo Carlos Cortes, irão ser avaliadas as condições físicas, técnicas e de recursos humanos das maternidades, para verificar quais são os problemas e apontar soluções, nomeadamente em termos de profissionais, saber quantos são necessários para o país e em que locais, e os meios técnicos tecnológicos que são necessários para fazer o acompanhamento das grávidas.

Após a conclusão do trabalho, a OM enviará um documento com as suas recomendações ao Ministério da Saúde para as implementar "se assim o entender".

Carlos Cortes espera poder entregar o documento em março ou abril, quando o Ministério da Saúde, do novo Governo, "estiver pronto para começar as suas funções".

Questionado pela Lusa sobre as dificuldades que as grávidas estão a ter devido ao fecho de maternidades por falta de profissionais para assegurar as escalas, Carlos Cortes exemplificou que médicos de unidades de Setúbal lhe relataram esta semana que as grávidas têm que ir fazer a ecografia ao privado porque não tem resposta no Serviço Nacional de Saúde naquela área.

Carlos Cortes disse ainda que os constrangimentos no SNS criam "um efeito de insegurança" nas grávidas, levando muitas delas a optar por serem seguidas logo de início no setor privado para, vincou, "não terem que estar nesta situação de indefinição e de insegurança do setor público, onde não têm um acompanhamento permanente e constante".

"Se as maternidades públicas fecham vários dias da semana, não dão resposta, necessariamente as mães têm que ir para o setor privado", lamentou.

"Portanto, sabemos das dificuldades, vamos agora apurar melhor quais são essas dificuldades, onde é que elas estão e como é que o Ministério da Saúde as vai poder resolver", rematou o bastonário dos médicos.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • António dos Santos
    08 dez, 2023 Coimbra 14:11
    Em vez de fazerem estudos que não servem para nada, obriguem os médicos a serem honestos, isto é, deixarem de emitir atestados e baixas médicas fraudulentas e não falsificarem as marcações de ponto nos hospitais (marcam de manhã, saem e a qualquer hora ao final do dia, voltam a colocar o dedo, para a saída. Já agora, se fossem sérios, não deviam aceitar a avaliação para aumento, a prescrição dos medicamentos. Neste caso os médicos e o estado estão prejudicar a saúde e a vida dos doentes, que é um acto criminoso!!!

Destaques V+