Tempo
|
A+ / A-

Inspeções periódicas obrigatórias para motociclos adiadas para 2025

08 dez, 2023 - 02:23 • Lusa

Diploma aprovado pelo Conselho de Ministros, antes de o Governo ser demitido pelo Presidente da República.

A+ / A-

O Conselho de Ministros aprovou esta quinta-feira um decreto-lei que adia por um ano, para 2025, as inspeções periódicas obrigatórias para motociclos, triciclos e quadriciclos com cilindrada superior a 125 centímetros cúbicos (cm3).

"Foi aprovado o decreto-lei que prorroga por um ano a produção de efeitos da transposição da diretiva delegada relativa a inspeções técnicas de veículos a motor e seus reboques", pode ler-se no comunicado divulgado após a última reunião do Conselho de Ministros do Governo, que entra em gestão na sexta-feira.

Este diploma "adia por um ano, para 2025, a inspeção periódica obrigatória" daqueles veículos, explicou à Lusa fonte oficial do gabinete do secretário de Estado Adjunto e das Infraestruturas, Frederico Francisco.

A entrada em vigor das inspeções periódicas obrigatórias de motociclos com mais de 125 cm3 estava anteriormente prevista para janeiro de 2024, tendo gerado vários protestos de motociclistas, após a publicação do decreto-lei 29/2023, em maio.

O decreto-lei previa que as inspeções aos motociclos teriam de ser realizadas "cinco anos após a data da primeira matrícula e, em seguida, de dois em dois anos".

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • EU
    09 dez, 2023 PORTUGAL 15:46
    Nasci numa aldeia, cresci e resido nessa TERRA que hoje é Vila. Naqueles tempos havia muitos jumentos e jumentas. Quase todas as casas tinham um jerico ou uma burra. Quando íamos à cidade às compras levávamos as bestas arreadas com albarda e os respetivos alforges. À entrada da cidade havia um BARRACO onde deixávamos as bestas presas. O dono do barraco cobrava uma certa quantia pelo tempo de demora, mas dava o feno para o animal estar entretido. Havia um somítico que não queria pagar o mesmo que os outros e o dono do barraco colocava uma folha de jornal na parede em frente da CARA do BURRO. Um dia, ainda criança, perguntei o que era aquilo e o dono do barraco disse-me que era para o BURRO ler o jornal, pois era mais inteligente que os OUTROS animais. Essa MODA pegou, pois quando se via um BURRO a olhar para o ar em vez de comer, dizíamos que " está a ler o jornal ". Décadas são passadas e um GOVERNO demitido aprovou o CONTRÁRIO do PENSADO para entrar em vigor com o início do ano novo. É o chamado, DAR O DITO por não DITO. Se eu não tivesse TIDO um jerico, acreditava que a MEDIDA aprovada não era ELEITORALISTA, mas felizmente tive e como tal não sou eu o BURRO. Senhores MOTARDS a Vossa PRENDA está ADIADA, mas É certa, não duvidem, basta ler O JORNAL da REPÚBLICA.

Destaques V+