Tempo
|
A+ / A-

Tempo de serviço dos professores

“Isto já faz lembrar a ‘Black Friday’ eleitoral”, diz André Pestana

05 dez, 2023 - 12:35 • Liliana Monteiro , André Rodrigues , Olímpia Mairos

Na reação à entrevista do ministro da Educação à Renascença, em que João Costa admitiu ser possível a recuperação total do tempo de serviço dos professores, o presidente da Associação de Diretores de Agrupamentos e Escolas Públicas defende que este é o momento para um pacto na área da Educação.

A+ / A-

André Pestana do Stop considera que o ministro da Educação está a mudar o discurso. Se durante o mandato nunca acedeu à reivindicação do pedido de contagem integral do tempo de serviço dos docentes, agora aliado a um candidato à liderança do partido, diz ter abertura para essa contagem e muda de discurso.

Em entrevista esta manhã à Renascença, João Costa admitiu ser possível a recuperação total do tempo de serviço pedido há muito pelos docentes, explicando que houve muitos imprevistos que impediram que tal fosse assumido.

“Isto já faz lembrar um bocado a ‘Black Friday’ eleitoral”, diz André Pestana, acrescentando que “o ministro teve grandes responsabilidades na pasta do Ministério da Educação desde 2015, inicialmente como secretário de Estado e nos últimos anos já como ministro da Educação”, e nunca fez justiça aos professores.

“É estranho que quem se opôs veementemente, quem fez até como é público, dinamizou serviços mínimos contra as lutas legítimas dos profissionais de educação, docentes e não docentes ao longo deste ano de 2023, é estranho que agora venha dizer, no fundo, o contrário de toda a sua postura ao longo do ano”, acrescenta.

À Renascença, André Pestana diz ainda que encaram esta mudança “numa narrativa eleitoralista, um leilão eleitoral que não é só, convenhamos e em abono da verdade, feito por pessoas ligadas ao PS”.

O coordenador nacional do Stop assinala ainda que “tem havido mudanças de posições, nomeadamente a questão do tempo de serviço, que não é meramente a única questão que nós reivindicamos ao longo de todo este ano, mas que é naturalmente uma das questões principais” também na área do PSD, com “uma mudança significativa” de posição.

Além da recuperação do tempo de serviço, os professores reivindicam melhores condições para a carreira e um investimento nas infraestruturas escolares.

Pacto na área da Educação

Já do lado dos diretores de escolas, Filinto Lima diz à Renascença que este é o momento para um pacto na área da Educação.

O presidente da Associação de Diretores de Agrupamentos e Escolas Públicas pede, no entanto, que as promessas se concretizem, independentemente de quem venha a ser Governo depois das próximas legislativas.

Tendo em conta que “parece que é unânime em todos os quadrantes políticos” a contagem do tempo de serviço dos professores, o responsável defende que “isto fique num Pacto da Educação”.

E no entender de Filinto Lima, a “altura de pactos é agora não é depois das eleições”.

“Agora é preciso é que depois das eleições, seja qual for o partido político que ganhe passe da palavra aos atos e muitas vezes isso é esquecido”, completa.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Joaquim Correto
    06 dez, 2023 Paços 14:20
    ...por outro lado a luta do STOP faz lembrar luta política e não uma luta pela melhoria das condições salariais dos professores!
  • João Silva
    06 dez, 2023 Gaia 10:03
    Os resultados do PISA NÃO INTERESSA PARA NADA. queremos é o dinheiro. Defesa da escola publica? Que se lixe isso. Queremos dinheiro
  • Ex-professor
    05 dez, 2023 Felizmente! 13:33
    É possível, é provável, pode fazer-se, vamos ver... Ele não diz em lado nenhum "vai ser feito!" só lança vagas hipóteses que aliás colidem frontalmente com o que andou a dizer e a fazer nos últimos 2 anos. E agora quer que acreditemos nele? Mas só até às Eleições, até se apanhar com os votinhos dos tansos no bolso, não é Sonso ilegal?

Destaques V+