Tempo
|
A+ / A-

​AM do Porto aprova orçamento de 412ME para 2024

05 dez, 2023 - 05:44 • Lusa

O orçamento municipal para 2024 foi aprovado com os votos favoráveis do movimento independente, do PSD e do Chega, a abstenção do PS e do PAN, e os votos contra do BE e CDU.

A+ / A-

A Assembleia Municipal do Porto aprovou, por maioria e com críticas da oposição, o orçamento municipal para 2024, que se fixa em 412 milhões de euros, mais 26,2 milhões de euros face ao deste ano.

O orçamento municipal para 2024, que contempla mais 26,2 milhões de euros do que o deste ano, foi aprovado com os votos favoráveis do movimento independente, do PSD e do Chega, a abstenção do PS e do PAN, e os votos contra do BE e CDU.

Na sessão, o deputado Rui Sá, da CDU, alertou para o aumento dos encargos financeiros decorrente da descentralização de competências, que "não é acompanhada do envelope financeiro".

Apesar de reconhecer que a situação financeira do município é boa, Rui Sá defendeu que o orçamento "não responde" a alguns problemas da cidade como o aumento da pobreza, de pessoas em situação de sem-abrigo e despejos.

À semelhança da CDU, também a deputada Susana Constante Pereira, do BE, salientou "a pressão" do processo de descentralização na situação financeira do município.

A deputada criticou ainda o facto de não terem sido contempladas no orçamento algumas das propostas apresentadas pelo BE, nomeadamente, a garantia de 15% de habitação pública até 2026 ou a criação de um plano municipal de combate à pobreza.

Também o socialista Agostinho Sousa Pinto alertou que ao tratar-se do "maior orçamento de sempre" do município, o mesmo acarreta maior responsabilidade ao executivo.

"Não sendo este o nosso orçamento, o PS acompanha e valoriza algumas opções", afirmou, destacando as rubricas destinadas a coesão social, habitação e urbanismo.

Já o deputado único do PAN, Paulo Vieira de Castro, lamentou a "pouca vontade em aumentar" o investimento na área do bem-estar e saúde animal, defendendo que tal "não será por falta de dinheiro", mas por opção política.

Resposta de Rui Moreira: Em resposta às considerações das diferentes forças políticas, o presidente da câmara, Rui Moreira, disse entender a discordância de opções ideológicas, bem como as preocupações relativamente à descentralização de competência.

"O facto de ser o maior orçamento não nos deve, por si só, tranquilizar quanto ao futuro", afirmou, destacando o aumento da despesa corrente devido a "fatores exógenos" como os vencimentos e progressões nas carreiras.

"Temos vindo a ter um conjunto de receitas que não são rígidas, variam em função de ciclos económicos", observou, criticando o Estado por ainda não ter encontrado "uma forma de resolver esta matéria"

"Cada vez se pede mais dos municípios e cada vez a receita garantida aos municípios é mais imprevisível", acrescentou.

Vozes concordantes

Pelo PSD, o deputado Nuno Borges destacou a importância do acordo de governação estabelecido entre o partido e o movimento independente "Rui Moreira: Aqui Há Porto" para "garantir a estabilidade" da cidade.

"Orçamento está alinhado com os valores que defendemos", considerou, salientando as propostas do partido contempladas no documento ao nível da redução do IRS e reforço de verbas para juntas de freguesia.

Já o deputado Raul Almeida, do movimento independente, destacou as "boas contas" apresentadas no orçamento que, considerou ser "reflexo de como o executivo honra os seus compromissos".

"A cidade faz-se com todos", acrescentou, criticando as considerações do BE e CDU, bem como a posição de abstenção assumida pelo PS.

Já o deputado Jerónimo Fernandes, do Chega, destacou o "equilíbrio de contas resultado de um exercício de compromisso", bem como a redução fiscal e o trabalho desenvolvido na área da habitação e mobilidade, "apesar de todos os constrangimentos".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+