Tempo
|
A+ / A-

"Quando é que chega o autocarro?"

Passageiros da Unir continuam confusos quanto a rotas e horários da rede

04 dez, 2023 - 10:36 • André Rodrigues

Nova rede que substitui 30 operadores privados de transporte rodoviário de passageiros começou a funcionar na passada sexta-feira. Utentes queixam-se de falta de organização e pouca informação sobre o serviço.

A+ / A-

“O senhor sabe quando é que chega o autocarro?”. Irritada, Helena devolve a pergunta feita pela Renascença.

Irritada, não com o repórter, mas com o atraso do veículo “que já devia ter chegado há muito tempo” à paragem da rotunda de Santo Ovídio, em Vila Nova de Gaia.

Eram 08h30 desta segunda-feira, primeiro dia útil e primeira grande prova da Unir, a nova rede de transporte público rodoviário de passageiros, que, desde a passada sexta-feira, substitui 30 operadores privados.

“Hoje já deu para perceber que não vou chegar a tempo”, queixa-se a utente que, até há poucos dias, utilizava os autocarros da União de Transportes dos Carvalhos, “que também funcionavam muito mal, às vezes com atrasos de 20 minutos e meia hora”.

“Hoje, já fiquei numa primeira paragem, depois tive de vir de boleia até aqui e estou à espera para ir trabalhar”, acrescenta Helena que, por outro lado, lamenta a falta de informação sobre horários e rotas do novo serviço.

“Procurei, procurei informação para saber se o horário era para se manter, mas, na realidade, não se manteve. E está muito atrasado”, desabafa a utente que esta manhã tentava sair a tempo e horas do centro de Gaia para ir trabalhar para Espinho.

Menos crítico, Ailton espera para ver “como é que vai ser neste primeiro dia” em que utiliza a Unir, desde a entrada em operação: “algo que pode ajudar muito é a aplicação com a tabela de horários. Facilita muito”.

No entanto, este imigrante brasileiro admite que nem tudo está a correr como esperava, embora reconheça que o serviço anterior à Unir “também tinha muitas falhas, podia até ser do trânsito, mas havia muitos atrasos. Mas vou testar agora, acredito que será melhor”, declara, otimista, minutos antes da hora prevista para chegada do autocarro que vai levá-lo de Santo Ovídio até ao Monte da Virgem.

Contudo, o facto de a informação estar mais à mão na aplicação da Unir ou na internet, “pode ser um fator de discriminação para os utentes mais idosos”, admite Joana.

Esta utilizadora, também em modo de estreia no novo serviço de autocarros do Grande Porto, espera chegar a tempo ao trabalho.

“Mas as notícias de outros colegas meus com quem falei esta manhã não são lá muito boas”, admite. “Resta esperar para ver se corre bem”.

No primeiro dia de operação da Unir, o presidente da Área Metropolitana do Porto, e autarca de Vila Nova de Gaia, admitiu falhas e equívocos na comunicação com os utentes, garantindo, contudo, que nenhuma linha seria suprimida.

A Unir conta com mais de 650 autocarros e, desde 1 de dezembro, serve 17 municípios da região, da Póvoa de Varzim até Arouca.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • 05 dez, 2023 V.N.Gaia 09:28
    Aqui há um equivoco quando o presidente da câmara de Gaia e da AMP diz que nenhuma linha foi suprimida. Ele que venha a Serzedo, Arcozelo, Gupilhares, Vilar do Paraíso e explique aos utentes a razão de já não existir mais a linha 30S (Serzedo - V.N.Gaia). Sim, houve supressão se serviços e linhas, ao contrário do que afirma. Quem tinha transporte direto agora tem de fazer transbordos e ter sorte de que as outras "carreiras" não venham cheias.
  • 05 dez, 2023 V.N.Gaia 09:24
    Aqui há um equivoco
  • quim
    04 dez, 2023 porto 20:16
    Aquilo parece um circo ninguém informa nada . Alteram percursos sem dar cavaco a ninguém . As pessoas não podem ir trabalhar , pois não chegam a horas . palhaços
  • jose pina ferreira
    04 dez, 2023 MAFAMUDE 18:02
    A linha 44 Santo Ovídio a Santo Ovídio circulando por Laborim , Rua do Pinhal e Alameda do Cedro, que foi substituída pelo autocarro 9020, não teve ainda nenhum autocarro a fazer serviço, que se passa ? alguém pode fazer o favor de informar ?
  • Dolores Quintela
    04 dez, 2023 Fanzeres 16:30
    Sem organizaçao uma vergonha !!!!!!!!Hoje cheguei atrasada nao vi nenhuma camioneta dita UNIR tive que utilizar os STCP -VERGONHA

Destaques V+