Emissão Renascença | Ouvir Online
A+ / A-

Há muitas pessoas que trabalham e ainda assim têm de pedir comida ao Banco Alimentar

01 dez, 2023 - 10:58 • Alexandre Abrantes Neves com Redação

Há 400 mil pessoas que diariamente recebe apoio da instituição liderada por Isabel Jonet.

A+ / A-

São cerca de 400 mil as pessoas que diariamente contam com a ajuda desta instituição de solidariedade social, que recebe cada vez mais pedidos de trabalhadores cujo salário não chega para cobrir as despesas.

O alerta feito na Renascença por Isabel Jonet, a presidente da federação dos bancos alimentares contra a fome.

“O número de pessoas que são apoiadas mantém-se nas 400 mil. Estas precisam de ajuda do Banco Alimentar e recebem ajuda diariamente. Temos ainda agora muitos trabalhadores pobres, ou seja, pessoas que trabalham que têm o seu salário, mas que aquilo que recebem o seu rendimento familiar não chega para todas as necessidades do agregado”, descreve Jonet.

Isabel Jonet revela também que há cada mais instituições de solidariedade social a pedir ajuda ao Banco Alimentar.

“Os bancos alimentares trabalham em parceria com instituições e estas instituições, elas próprias, pedem-nos mais ajuda, uma vez que os acordos com a Segurança Social ainda não foram renegociados.

A Campanha do Banco Alimentar contra a Fome arranca hoje e prolonga-se até domingo em mais de dois mil superfícies comerciais de norte a sul do país.

"Mesmo que seja só com alimentos mais baratos, qualquer contribuição é boa"

As lides de voluntariado não são estranhas para Cátia Ferreira. Apesar de ser a primeira vez que está a recolher alimentos num supermercado, é voluntária no armazém do Banco Alimentar contra a Fome de Lisboa há vários anos.

Mesmo num contexto de inflação “que dificulta muito a vida das pessoas”, Cátia está otimista com a campanha deste ano.

“Acho que as pessoas são a contribuir bastante e ainda bem, porque é cada vez mais necessário. Mesmo que seja só com alimentos mais baratos, qualquer contribuição que seja é bom. Vai ajudar alguém”, conta à Renascença, enquanto arruma mais um carro cheio com doações de alimentos.

Mais à frente, junto à linha de caixas desde supermercado em Lisboa, está Carla Barata. É a primeira vez como voluntária numa campanha do Banco Alimentar – um convite que aceitou “com muito agrado”.

Apesar de ter feito apenas um turno de recolha de alimentos, Carla diz já ter percebido quem está mais disposto a participar na campanha.

“As pessoas que ajudam mais são aquelas que parecem estar sozinhas e até mais dificuldades. Não vejo pessoas com carros grandes a vir deixar sacos com comida. Acho que as pessoas com menos possibilidades são aquelas que estão mais preocupadas – se calhar, porque já estão a sentir isto na pele”, explica.

Logo ao lado, está o filho Eduardo, de 16 anos. Aproveitou o feriado para poder contribuir para uma causa que o deixa “feliz, ao ver o sorriso na cara de todos aqueles que nos deixam alimentos”. E, quando tira a camisola de voluntário para ir finalmente descansar, aproveita ainda para deixar um apelo: “não digam ‘ah, sou só uma pessoa, não vale a pena ajudar’. Vale sempre. Se todos pensarmos assim, não chegamos a lado nenhum”.

Quem não hesita em ajudar é Maria Machado. Já reformada – e com uma pensão “três vez mais pequena do que o salário que tinha no ativo” – não quer deixar de ajudar, principalmente porque sabe que “os preços aumentam de dia para dia e os rendimentos continuam muito baixinhos”.

Alex Dexa sente isto na pele. Quis contribuir para a campanha por se sentir na obrigação de “ajudar a aumentar o bem-estar de quem tem menos possibilidades”, mas sai do supermercado desanimado – gostava de “poder dar mais”, mas com “a perda de poder de compra tornou-se impossível, com muita pena”.

Patrícia Dias lembra-se bem das manhãs passadas a recolher alimentos para o Banco Alimentar, quando era escuteira, ainda em criança. Agora a trabalhar, não falha nenhuma das campanhas da instituição.

“Antes doava com os meus pais e agora, que já trabalho, tento continuar a fazê-lo. Tento sempre ajudar o máximo que posso, principalmente quando vejo todas as necessidades que os mais pobres passam no nosso país”, remata.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • ze
    01 dez, 2023 aldeia 13:29
    O socialismo é assim!.....cada vez estamos piores.mais desemprego.mais pessoas despejadas, mais pessoas sem abrigo.Continuem a votar sempre nos mesmos!.....

Destaques V+