Emissão Renascença | Ouvir Online
A+ / A-

Crise no SNS

Administradores hospitalares desafiam Governo a acelerar organização das urgências

29 nov, 2023 - 12:06 • André Rodrigues

Se nada for feito, Xavier Barreto antecipa repetição da crise no SNS mais cedo do que este ano. "Provavelmente em meados" de 2024.

A+ / A-

O presidente da Associação Portuguesa dos Administradores Hospitalares (APAH) desafia o Governo a repensar a organização dos serviços de Urgência “logo no início do ano de 2024”.

No dia seguinte ao acordo firmado entre o Ministério da Saúde e o Sindicato Independente dos Médicos (SIM) para um aumento intercalar até 15%, sem a assinatura da FNAM, Xavier Barreto admite, em declarações à Renascença, que esse entendimento “é positivo para o Serviço Nacional de Saúde, mas há outras questões que terão que ser discutidas”, nomeadamente o modelo de organização das urgências, de modo a evitar a atual situação em que dezenas de estão a funcionar de forma condicionada, devido ao elevado número de médicos que recusam trabalhar para lá das 150 horas extraordinárias anuais a que estão obrigados por lei.

“Seria inaceitável que em 2024 nós regressássemos à rede de urgências que sempre quisemos, consumindo esse plafond de 150 horas por cada um destes médicos, porque isso levar-nos-ia muito provavelmente à mesma situação em que estamos agora, só que mais cedo, provavelmente em meados do ano”, alerta o presidente da APAH.

Daí o recado expresso ao Ministério da Saúde: “Temos de preparar o ano de 2024 assumindo que só teremos, no máximo, 150 horas para este conjunto de médicos que entregou esta declaração de recusa e tirar daí as devidas ilações”.

Xavier Barreto entende que a solução terá de considerar "um conjunto de respostas, quer a nível regional, quer em algumas áreas metropolitanas, porque se nós não tivermos mais horas de médico do que aquelas que temos hoje, e se as horas de médico não forem suficientes para garantir a rede que já tivemos no passado, temos muito necessariamente de rever a rede, garantindo que temos uma resposta sustentada e o mais segura possível para os nossos doentes”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+