Tempo
|
A+ / A-

Climáximo. Tinta em fachada de hotel em Lisboa

28 nov, 2023 - 11:27 • Olímpia Mairos

No hotel decorria uma sessão do grupo Eurogás que foi interrompida.

A+ / A-

Ativistas pelo clima do movimento Climáximo pintaram esta terça-feira a fachada de um hotel, em Lisboa, e interromperam a sessão do grupo Eurogás, que decorria no interior. Afirmam que “a sociedade não pode delegar a tarefa urgente e existencial de cortar emissões para as empresas culpadas, que lucram com esta crise.”

Segundo Mariana Rodrigues, “as empresas que englobam a Eurogás são culpadas pela morte de milhões de pessoas, segundo as últimas investigações sobre mortalidade da crise climática”.

A porta-voz do movimento, citada no comunicado enviado à Renascença, acrescenta ainda que “nenhuma empresa tem planos para reduzir a sua produção de gás fóssil, e vendem-nos falsas promessas de ‘transição’ como o hidrogénio, que não está associado a qualquer corte de emissões”.

Realçando que “a Eurogás foi criada em 1990, quando já eram reconhecidos os efeitos destruidores da queima de gás fóssil”, o Climáximo denuncia que “as empresas, que nem sequer estão alinhadas com os objetivos assassinos da União Europeia (que condenam milhões à morte), afirmam querer atingir neutralidade carbónica por meio de magia e truques de contabilidade, pois não apresentam qualquer plano viável para acabar com o gás fóssil”.

Para o próximo dia 9 de dezembro, às 14h00, o Climáximo tem agendada uma manifestação, em Lisboa, no Saldanha, onde pretende definir “popularmente as prioridades do movimento por justiça climática para o ano de 2024”.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+