Tempo
|
A+ / A-

Exploração e Tráfico de imigrantes

“É preciso que não haja corrupção na rede da justiça”, alerta OCPM

26 nov, 2023 - 08:00 • Henrique Cunha

Na semana em que foram detidos 28 suspeitos de tráfico e exploração de imigrantes, em dois concelhos do Alentejo, a presidente da Obra Católica Portuguesa das Migrações (OCPM) diz que para se denunciar este tipo de casos é preciso que "as pessoas se sintam seguras e que não haja corrupção na rede da justiça".

A+ / A-

A Obra Católica Portuguesa das Migrações (OCPM) defende que para haver justiça é preciso que "não haja corrupção na rede". Em declarações à Renascença, a sua presidente Eugénia Quaresma diz que "infelizmente onde há muita fragilidade, muita pobreza, muita miséria facilmente a corrupção ganha terreno".

Para a responsável, o facto de as autoridades terem detido 28 suspeitos de tráfico e exploração de cerca de cem imigrantes, na última semana, nos Concelhos de Cuba e Ferreira do Alentejo "é sinal de que a investigação está a funcionar".

Contudo, a presidente OCPM alerta para a necessidade das vítimas se sentirem protegidas. "As pessoas só vão denunciar se se sentirem protegidas e por isso é importante que não haja corrupção nesta rede da justiça", afirma.

Eugénia Quaresma diz que “as pessoas não podem continuar a ser iludidas, não podem continuar a ser exploradas” e refere que também “é preciso que quem envereda por este caminho perceba que o crime não compensa”. A responsável entende que as vitimas estão numa situação de grande fragilidade porque “os criminosos atuam na base da ameaça, e portanto, se estas pessoas que são exploradas, se têm familiares ameaçados, se não se sentem protegidas não denunciam”.

“As pessoas só vão denunciar se se sentirem protegidas e daí a importância deste trabalho policial e de a investigação também ser realizado em rede. E é importante que não haja corrupção nesta rede da justiça”, insiste.

Ainda assim, Eugénia Quaresma valoriza a investigação e pede que haja consequências para que "se dê um sinal claro de que o crime não compensa". “É preciso haver articulação com outros países. E eu pegava nas palavras de uma agente da PJ que dizia que não basta só detetar as pessoas, é preciso também que ao longo de toda a rede da justiça as coisas funcionem para que se perceba e dar um sinal muito claro de que o crime não compensa”, conclui.

Na terça-feira, a Policia Judiciária, através da Unidade Nacional Contra o Terrorismo, fez 28 detidos, numa megaoperação para desmantelar uma rede de tráfico humano e exploração de trabalhadores agrícolas.

A investigação desenvolvida nos concelhos de Cuba e Ferreira do Alentejo detetou a alegada exploração de uma centena de imigrantes da Roménia, Moldávia, Ucrânia, India, Senegal e Paquistão.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+