A+ / A-

Turismo de cruzeiros tem "impacto mínimo na qualidade do ar em Lisboa", diz estudo

20 nov, 2023 - 19:43 • Lusa

A APL refere que "a análise revela que os níveis de concentração de poluição na capital portuguesa não são influenciados de forma significativa pela atividade de cruzeiros".

A+ / A-

A atividade do turismo de cruzeiros tem um "impacto mínimo na qualidade do ar em Lisboa", segundo um estudo divulgado esta segunda-feira, que analisou os níveis de concentração de poluição na capital durante um ano.

As conclusões deste estudo, promovido pela Associação Internacional de Linhas de Cruzeiros (CLIA), em parceria com a universidade espanhola de Rovira i Virgili, de Tarragona, foram divulgadas, em comunicado, pela Administração do Porto de Lisboa (APL).

"A análise revela que os níveis de concentração de poluição na capital portuguesa não são influenciados de forma significativa pela atividade de cruzeiros, mas sim por outros fatores, como outros modos de transporte ou fontes residenciais", lê-se na nota da APL.

O estudo, desenvolvido entre setembro de 2022 e setembro deste ano, analisou os níveis de dióxido de nitrogénio (NO2), dióxido de enxofre (SO2), monóxido de carbono (CO) e material particulado (PM10).

"De acordo com os dados analisados, qualquer contribuição dos navios de cruzeiro para o aumento dos níveis locais de vários poluentes atmosféricos, como o SO2 e o PM10, é muito limitada. Em termos de quantidade de monóxido de carbono e de ozono na qualidade do ar local, o impacto da atividade de cruzeiros revela-se mesmo insignificante", sublinha a APL.

Apesar destas conclusões positivas, o presidente do conselho de administração da APL, Carlos Correia, citado na nota, ressalva que a empresa vai "continuar a trabalhar para melhorar a sustentabilidade da atividade".

"As questões de sustentabilidade ambiental são estratégicas para a tomada de decisão e, por esse motivo, o Porto de Lisboa tem um conjunto de ações em curso, como o fornecimento de energia em terra, monitorização da qualidade do ar e da água nas zonas envolventes do Terminal de Cruzeiros de Lisboa e a implementação de um sistema de avaliação e monitorização das taxas de emissões dos navios de cruzeiro durante a escala", indicou.

Também citado na nota da APL, o vice-presidente para a Sustentabilidade da CLIA, Sascha Gill, sublinhou o facto de o estudo demonstrar, "pela primeira vez, o reduzido impacto da atividade de cruzeiros na qualidade do ar na cidade de Lisboa, em comparação com outros modos de transporte".

"Podemos ter a certeza de que as medidas tomadas pela indústria para melhorar o seu desempenho estão a fazer a diferença e continuarão a fazê-lo, em benefício das gerações futuras", afirmou.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+