A+ / A-

Sete ativistas retirados pela polícia da Reitoria da Universidade de Lisboa

17 nov, 2023 - 22:55 • Lusa

Universidade assegura que a polícia, "sem a utilização de violência, isolou o espaço, procedeu à identificação dos invasores e garantiu que os mesmos abandonassem o átrio da reitoria".

A+ / A-

Um grupo de sete manifestantes pelo clima recusou-se hoje a abandonar a reitoria da Universidade de Lisboa (UL), levando o reitor a chamar a PSP, que isolou as instalações e identificou os manifestantes, indicou a instituição.

Em comunicado, enviado pelo reitor da UL, Luís Ferreira, a universidade assegura que a polícia, "sem a utilização de violência, isolou o espaço, procedeu à identificação dos invasores e garantiu que os mesmos abandonassem o átrio da reitoria".

Segundo a UL, os sete manifestantes integravam um grupo de cerca de 20 "ativistas climáticos" que hoje à tarde "forçou a entrada na reitoria" e se recusou ao diálogo após ter sido recebido por "um membro da equipa reitoral".

A UL acrescenta que, "após terem grafitado a fachada principal do edifício da reitoria", os ativistas "invadiram os espaços onde está patente uma exposição alusiva à universidade, tendo grafitado alguns painéis da exposição".

A universidade considera "que não é com violência, vandalismo e destruição de propriedade, incluindo património público classificado, que esta luta [a da defesa do clima] poderá ter sucesso".

A UL argumenta, ainda, que "têm também existido múltiplas tentativas, infrutíferas, de diálogo com diferentes grupos de ativistas climáticos com vista à participação da universidade na discussão desta problemática".

Em comunicado, o movimento Greve Climática Estudantil de Lisboa refere que "várias dezenas de estudantes" se manifestaram hoje à tarde em frente à reitoria da UL em protesto contra os combustíveis fósseis, "invadiram o edifício e pintaram a fachada", tendo um dos vice-reitores falado com os estudantes "no exterior".

Esta semana, protestos pelo clima em duas faculdades de Lisboa levaram à detenção de nove estudantes, tendo o PCP e o Livre questionado, por escrito, o Governo sobre as intervenções policiais.

Na madrugada de segunda-feira, seis estudantes foram detidos por se recusarem a sair da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, que tinham ocupado em defesa do clima.

Os estudantes acusaram a polícia do uso de violência e insultos, acusações que a PSP não comentou.

Na quarta-feira, três estudantes da Faculdade de Psicologia da UL foram detidas pela PSP na instituição.

De acordo com o movimento Greve Climática Estudantil de Lisboa, as jovens estavam a dar uma palestra sobre ação climática à qual assistiam várias dezenas de estudantes da faculdade. Duas das jovens foram detidas por estarem a dar a palestra e uma foi detida por estar a assistir.

A Faculdade de Psicologia esclareceu que chamou a polícia por se terem esgotado as "soluções internas", nomeadamente para desimpedir o acesso às aulas, adiantando que "não estava prevista ou agendada qualquer palestra para aquele espaço ou qualquer outro".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+