A+ / A-

Operação Influencer

Novo erro do MP. Reunião não aconteceu na sede do PS

16 nov, 2023 - 21:45 • Diogo Camilo

Vítor Escária nega que se tenha encontrado com Diogo Lacerda Machado e Afonso Salema no Largo do Rato para discutir o negócio milionário de Sines. Interveniente de escuta estava a passar pela sede do partido enquanto falava ao telefone, levando procuradores ao engano.

A+ / A-

O Ministério Público volta a somar erros no despacho de indiciação da Operação Influencer, que levou à demissão de António Costa como primeiro-ministro. Desta vez, o documento refere uma reunião na sede do PS entre o ex-chefe de gabinete Vítor Escária, Diogo Lacerda Machado, consultor da Start Campus, e o então CEO da empresa, Afonso Salema, que nunca aconteceu.

Segundo o Expresso, Escária negou ao juiz de instrução que alguma vez se tivesse reunido com Lacerda Machado e Salema no Largo do Rato, com três fontes ligadas ao processo a confirmarem ao semanário que os procuradores acabaram por admitir que tinham errado, justificando o erro como uma má interpretação das escutas.

Nestas, um dos intervenientes na chamada terá referido que estava a passar pela sede do partido enquanto falava ao telefone, levando ao engano quanto ao local da referida reunião.

Em tribunal, Vítor Escária confirmou que se encontrou com Lacerda Machado e Salema por quatro vezes, no seu gabinete em São Bento, para falarem sobre o negócio do Data Center em Sines.

O erro factual acontece depois de um engano pelo Ministério Público numa portaria aprovada por João Galamba, então secretário de Estado, que nada tem a ver com o projeto em Sines, e de um lapso na transcrição de uma escuta telefónica, numa conversa entre Lacerda Machado e Salema, em que se referem a António Costa, que o MP entendeu ser o primeiro-ministro, mas que na realidade era o ministro da Economia, António Costa Silva.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+