A+ / A-

FCSH

Alunos expulsam comitiva do Chega durante protesto pelo clima

16 nov, 2023 - 21:09 • João Pedro Quesado

Protesto da Greve Climática Estudantil, que já estava marcado, acabou por se virar contra a presença de membros do Chega, que distribuíam panfletos contra "as mentiras da suposta crise climática".

A+ / A-

Um grupo de algumas dezenas de estudantes da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas (FCSH), da Universidade Nova de Lisboa (UNL), expulsou esta quinta-feira uma comitiva do Chega durante um protesto pelo clima naquele local. O grupo incluía a deputada Rita Matias, que anunciou que vai apresentar queixa-crime por agressões.

O coletivo Greve Climática Estudantil iniciou, na segunda-feira, uma nova onda de ações de protesto, incluindo ocupações de escolas e universidades, para reivindicar o fim ao fóssil até 2030 e eletricidade 100% renovável e acessível até 2025.

Ao mesmo tempo, a Juventude do Chega anunciou o início de mais uma ronda de visitas a universidades e escolas para "expor as mentiras da suposta crise climática".

Esta quinta-feira, os dois movimentos encontraram-se na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, onde um protesto da Greve Climática Estudantil, agendado para a hora de almoço, foi antecipado com a chegada de elementos do Chega ainda de manhã.

Nos vídeos divulgados nas redes sociais, é possível ouvir os estudantes a gritar "Fim ao Fóssil! Fim aos Fachos!", "Fora!" e "25 de Abril, fascismo nunca mais!". A PSP acabou por ser chamada ao local.

Deputada Rita Matias vai apresentar queixa

De acordo com o Diário de Notícias, a deputada do Chega Rita Matias, que esteve presente na FCSH, vai apresentar queixa devido ao que alega terem sido agressões dos jovens estudantes.

Segundo a versão da deputada, os membros da Juventude do Chega foram cercados, agredidos com pontapés e empurrões e insultados pelos jovens.

Nas redes sociais, Rita Matias disse que a ação da Juventude do Chega "corria manifestamente bem, com novos militantes e boa adesão" até à chegada dos ativistas climáticos.

A nova onda de protestos da Greve Climática Estudantil já resultou na detenção de seis estudantes que estavam a tentar pernoitar nas instalações da FCSH. Já na Faculdade de Psicologia da Universidade de Lisboa, foram detidas três estudantes que estavam a dar uma palestra sobre ação climática.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • EU
    16 nov, 2023 PORTUGAL 23:32
    Como ouvi em TON um pouco alto a EXPRESSÃO " 25 de Abril sempre " e como com a IDADE destes JOVENS também protestei, venho dizer-lhes o seguinte: minha Mãe deu à luz TRÊS rapazes e ficou viúva ainda NOVA. Criou 4 filhos e fez desses 3 rapazes uns JOVENS que foram cumprir o SERVIÇO MILITAR quando chegou a hora. O mais velho foi cumprir esse serviço em Moçambique. O seguinte foi para Angola. Ambos estiveram no MESMO TEMPO por lá. Eu, era estudante, preparava-me para ingressar no Instituto Técnico, quando em 1971 me AVISARAM para ir cumprir esse SERVIÇO. Reclamei, aleguei que minha Mãe era viúva e eu era o ÚNICO HOMEM que a podia amparar, o chamado AMPARO DE MÃE. Obtive como resposta que na data da minha INCORPORAÇÃO os Meus Irmãos já por cá estariam. Em Janeiro de 1972 fui para a EPA 1 em Vendas Novas. Logo aí comecei a SER REGUILA. Passei pelo RAL 4 em Leiria, pelo 2 GAM no Lumiar, pelo TREN/AUTO e Repartição de Mobilizados na Avenida de Berna em Lisboa. Em Setembro de 1972 fui MOBILIZADO para IR cumprir DOIS ANOS em Angola. Fui para receber as Guias de Marcha e ALEGUEI que tinha tido LÁ os meus IRMÃOS, recebi como resposta " TIVESTE PÁ MAS JÁ NÃO OS TENS ". Esta resposta foi dada por um TENENTE. Fui para o RAL 1 e em 3 de MARÇO de 1973 embarquei rumo a Angola. Durante estas ANDANÇAS, protestei, resmunguei e nunca deixei que fizessem de mim o que ELES queriam, UM GUERREIRO. NÃO, não fui um guerreiro, pois em DOIS ANOS em ANGOLA nunca dei UM ÚNICO TIRO. Conheci TODA a ANGOLA a sul do Caminho de Ferro de MALANGE e todo o LESTE. Nunca INSULTEI ninguém. Nunca fui castigado e sempre fui ESCOLHIDO para as OPERAÇÕES mais ESPECIAIS. Disse a OFICIAIS SUPERIORES que UM DIA a MAMA deles acabaria. Ganhei dinheiro, MUITO MAIS que um Professor durante esses DOIS ANOS. O VINTE E CINCO de Abril foi OBRA de Jovens REGUILAS que NUNCA se calaram e NUNCA tivemos MEDO. Mas fomos cumpridores, educados e ordeiros. Quando se INVOCA o 25 de ABRIL deve ser feito com EMOÇÃO, com a VONTADE de MUDANÇA e não levianamente, pois ELE foi realizado para DAR LIBERDADE ao País e não a UNS SÓ. O 25 de ABRIL deu-nos a OPORTUNIDADE de sermos LIVRES de andarmos por onde QUISERMOS e entrar também onde QUISERMOS. Foram derrubadas ESSAS BARREIRAS de SELECIONAR os Cidadãos. Se, se INVOCA o 25 de ABRIL e insultamos, barramos e EXPULSAMOS os Cidadãos, estamos a CONTRARIAR o seu espírito democrático. Quem NÃO SOUBER SER, que não o SEJA.

Destaques V+