Emissão Renascença | Ouvir Online
A+ / A-

Operação Influencer. Sindicato dos Magistrados defende que PGR não tem de dar explicações

14 nov, 2023 - 23:51 • Lusa

Questionado sobre se a PGR deveria chamar a si o processo e intervir hierarquicamente no inquérito, Adão Carvalho entende que tal cenário não se coloca.

A+ / A-

O presidente do Sindicato dos Magistrados do Ministério Público (SMMP), Adão Carvalho, considera que a procuradora-geral da República (PGR), Lucília Gago, não tem de dar explicações sobre a atuação do Ministério Público (MP) no processo Operação Influencer.

"Não compete à Procuradoria estar a passo e passo a dar informações. O que lhe compete é dizer que existe a investigação, quais são os crimes e quem é que está a ser investigado, porque há essa repercussão social, mas não deve continuar depois, a cada passo, a dar informações sobre o processo. Não é isso que é expectável de alguém que tem de ter um especial dever de reserva e de objetividade", disse o magistrado à Lusa.

O impacto da Operação Influencer, que levou à detenção na semana passada do agora ex-chefe de gabinete do primeiro-ministro, Vítor Escária, do advogado e consultor Diogo Lacerda Machado, do presidente da Câmara de Sines, Nuno Mascarenhas, e dos administradores da empresa Start Campus, Afonso Salema e Rui Oliveira Neves, traduziu-se ainda na demissão de António Costa e na marcação de eleições legislativas antecipadas.

Contudo, apesar de ter pedido prisão preventiva para Vítor Escária e Diogo Lacerda Machado, cauções para os administradores da Start Campus e a suspensão de mandato para o autarca (entre outras medidas de coação), o MP viu o Tribunal Central de Instrução Criminal decidir a libertação de todos os arguidos, impondo apenas a proibição de sair do país para os dois primeiros e uma caução de 150 mil euros para o consultor e amigo do primeiro-ministro.

Questionado sobre se a PGR deveria chamar a si o processo e intervir hierarquicamente no inquérito, Adão Carvalho entende que tal cenário não se coloca.

"A PGR, na minha perspetiva, não tem poder de avocar o processo, porque a nossa hierarquia - e até por ser um cargo de nomeação - termina nos procuradores-gerais adjuntos. Tem o dever de organizar o MP, evidentemente que pode ter interferência na estratégia, designadamente, criando equipas de investigação ou pedindo alguma celeridade ao processo, mas não despacha os processos, nem pode avocar e passar ela a conduzir a investigação", frisou.

E acrescentou: "Não tem o poder de, no fundo, determinar as diligências ou tramitar o processo e dirigir o inquérito. Isso é uma competência que é dos magistrados, que, nesse aspeto, têm a autonomia ou independência de acordo com os poderes da intervenção hierárquica, mas não é uma intervenção direta da Procuradora-Geral da República".

O líder sindical dos magistrados desvalorizou ainda os lapsos que têm sido publicamente apontados à indiciação do MP neste caso, garantindo que, se existirem, serão resolvidos no âmbito do próprio inquérito e sem prejudicar os intervenientes.

Para o MP, podem estar em causa na Operação Influencer os crimes de prevaricação, corrupção ativa e passiva de titular de cargo político e tráfico de influência.

No total, há nove arguidos na investigação aos negócios do lítio, hidrogénio verde e do centro de dados de Sines, entre eles o agora ex-ministro das Infraestruturas, João Galamba, o presidente da Agência Portuguesa do Ambiente, Nuno Lacasta, o advogado e antigo porta-voz do PS João Tiago Silveira e a empresa Start Campus.

António Costa é alvo de um inquérito no MP junto do Supremo Tribunal de Justiça, após suspeitos no processo terem invocado o seu nome como tendo intervindo para desbloquear procedimentos nos negócios investigados, nomeadamente na aprovação de um diploma favorável aos interesses da empresa Start Campus.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Luiz
    15 nov, 2023 SANTO ANTÓNIO DOS CAVALEIROS 18:54
    Pois não, aquela "coisa" que se rege pela doutrina da ex-Santa Inquisição, só deve dar explicações ao Diabo, a Deus não concerteza!
  • Joaquim Correto
    15 nov, 2023 Paços 09:31
    Não tem de dar explicações? Derruba um primeiro ministro e por consequência um governo e não tem que dar explicações! Se tem suspeitas de alguma coisa tem que investigar, mesmo que seja o primeiro ministro, mas não pode emitir uma comunicado público a dizer que vai instaurar um processo crime ao primeiro ministro que que tenha provas concretas e inequívocas contra ele! Neste caso o MP foi uma autêntica aberração!

Destaques V+