Tempo
|
A+ / A-

Diabetes. Especialista alerta para excesso de açúcar na alimentação na época de Natal

14 nov, 2023 - 08:03 • Lusa

Indicando uma dieta mediterrânea para controlar ou até mesmo ajudar a reverter a diabetes tipo 2, o professor Faculdade de Medicina da Universidade do Porto defende que devem ser privilegiados alimentos, como fruta, legumes, salada e peixe em detrimento da carne, arroz, batatas e massa.

A+ / A-

O endocrinologista Davide Carvalho alertou esta terça-feira para que não se cometam muitos excessos na alimentação nas festas de Natal e fim de ano, considerando ser possível reverter a diabetes.

“A minha recomendação é para não cometerem os excessos todos e, como também não trabalham, aproveitarem para fazer um pouco de exercício”, disse o médico em entrevista Lusa a propósito do Dia Mundial da Diabetes e do livro do médico britânico Roy Taylor “Um guia simples para reverter a diabetes tipo 2”, editado em Portugal pela Porto Editora.

“Embora na gíria popular se diga que devemos ter Natal todos os dias, eu diria que o Natal é apenas um dia e, portanto, a minha sugestão é, mesmo que tenham festas nas empresas, nos trabalhos, etc., sejam comedidos, porque, se analisarem bem, aquilo que é tradição no nosso país, que é comer bacalhau, hortaliças, legumes, um pouco de batata, até é uma alimentação, entre aspas, relativamente pobre, [mas] depois temos um complemento de uma sobremesa que poderá ter "um pouco" de açúcar”.

Indicando uma dieta mediterrânea para controlar ou até mesmo ajudar a reverter a diabetes tipo 2, o também professor Faculdade de Medicina da Universidade do Porto referiu que devem ser privilegiados alimentos, como fruta, legumes, salada e peixe em detrimento da carne, arroz, batatas e massa.

“O que acaba por acontecer é que estes produtos são relativamente mais caros do que os outros, é mais caro, por peso, a fruta, o tomate, a salada, do que o arroz e a massa”, explicou.

“O que acontece é que hoje o nosso padrão, apesar de estarmos no Mediterrâneo, é termos uma dieta ocidental que engloba não só a Europa como os Estados Unidos, com tendência a comer muito mais fritos, tendência a comer muito mais assados, mais estufados, coisas com gordura”, sustentou.

Davide Carvalho garantiu haver um “grande problema” com o consumo de gordura durante o inverno.

“Pode ser gordura de confeção, mas pode ser até comer mais queijo, comer manteiga, comer presunto. (…) Depois também temos a questão do álcool. O álcool também tem calorias, sete quilocalorias por cada grama de álcool e (…) acaba por ser um dos fatores [do desenvolvimento da diabetes]”, observou.

“Numa fase precoce é possível reverter. E é possível reverter precisamente com medidas que permitam perder gordura que se acumula (…) no fígado e no pâncreas””, sublinhou.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Maria
    14 nov, 2023 Palmela 12:04
    Nao podemos fazer nada nem comer! So os politicos podem fazer tudo.

Destaques V+