Emissão Renascença | Ouvir Online
A+ / A-

TAP. Ministério Público abre processo de responsabilidade financeira à ex-CEO e a Manuel Beja

08 nov, 2023 - 20:23 • Lusa

Em causa está a indemnização de 500 mil euros paga à ex-administradora da TAP Alexandra Reis, alvo de um relatório da IGF e que deu origem à Comissão Parlamentar de Inquérito à companhia e levou à demissão da presidente executiva, Christine Ourmières-Widener, e do presidente do Conselho de Administração, Manuel Beja.

A+ / A-

O Ministério Público junto do Tribunal de Contas abriu um processo para apurar a responsabilidade financeira de Chistine Ourmières-Widener e Manuel Beja no pagamento da indemnização a Alexandra Reis, após a análise do relatório da Inspeção Geral de Finanças.

Fonte oficial do Tribunal de Contas (TdC) confirmou à Lusa que, do processo de acompanhamento do relatório elaborada pela Inspeção Geral de Finanças (IGF), "derivou requerimento do Ministério Público que deu origem a processo de apuramento de responsabilidade financeira".

A notícia foi avançada hoje pelo Observador.

Em causa está a indemnização de 500 mil euros paga à ex-administradora da TAP Alexandra Reis, alvo de um relatório da IGF e que deu origem à Comissão Parlamentar de Inquérito à companhia e levou à demissão da presidente executiva, Christine Ourmières-Widener, e do presidente do Conselho de Administração, Manuel Beja.

A auditoria da IGF já previa o envio do relatório ao presidente do Tribunal de Contas "para conhecimento da matéria de facto e de direito" em "virtude de poderem ser integradoras de infrações financeiras".

A auditoria da IGF, pedida pelo Governo, declarou nulo o acordo para a saída de Alexandra Reis da TAP com uma indemnização de meio milhão de euros, estando na base da decisão do executivo de exonerar com justa causa, em março, Christine Ourmières-Widener e Manuel Beja, os dois responsáveis pela assinatura desta decisão.

A saída de Alexandra Reis foi negociada à luz do Código das Sociedades Comerciais e não do estatuto do gestor público, que abrange a TAP desde 2020 e que não permitiria esta indemnização.

Christine Ourmières-Widener já recorreu à justiça para contestar a decisão de exoneração, pedindo uma indemnização de 5,9 milhões de euros.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+