Tempo
|
A+ / A-

Fenprof

Luta dos professores continuará se OE 2024 for em frente

08 nov, 2023 - 12:57 • André Rodrigues , Cristina Nascimento

Fenprof tem um protesto previsto para dia 13 de novembro, dia em que o ministro João Costa é esperado no Parlamento para apresentar o debate do Orçamento do Estado na especialidade.

A+ / A-

Se o Orçamento do Estado para o próximo ano se mantiver, os professores não vão abandonar a contestação. A garantia é dada à Renascença pelo secretário-geral da Fenprof.

“Mantendo-se o orçamento, evidentemente, mantém-se os protestos e dia 13 estaremos na rua”, disse Mário Nogueira esta quarta-feira, no rescaldo da demissão de António Costa.

O dirigente sindical acrescenta que o cenário de dissolução da Assembleia da República apenas depois da aprovação do Orçamento do Estado para 2024 (OE 2024) parece ser o mais provável, mas admite que Marcelo Rebelo de Sousa pode tomar “decisões que nos surpreendem”.

O protesto para dia 13 de novembro coincidirá com a expectável deslocação do ministro da Educação, João Costa, ao Parlamento para “defender o que nós dizemos que é indefensável, que são as verbas previstas para 2024 no setor da educação”, diz Mário Nogueira.

António Costa apresentou ontem demissão do cargo de primeiro-ministro, depois de ter tomado conhecimento de que está a ser alvo de um inquérito-crime do Supremo Tribunal de Justiça por alegado tráfico de influência nos negócios do lítio, hidrogénio verde e instalação de um mega data center em Sines.

O Presidente da República aceitou a demissão de Costa e está agora a ponderar se dissolve a Assembleia da República e convoca eleições antecipadas ou se o Partido Socialista tem condições para voltar a formar Governo.

Esta quarta-feira, Marcelo vai receber em Belém todos os partidos com assento parlamentar. Para amanhã está marcada uma reunião do Conselho de Estado, a seguir à qual é esperado que o Presidente fale ao país.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+