A+ / A-

Houve 10 vezes mais pedidos de greve na Educação do que na Saúde ou Justiça

08 nov, 2023 - 13:04 • Lusa

A DGAEP já recebeu, no total, 567 avisos prévios de greve da área da educação, este ano.

A+ / A-

Os sindicatos ligados à Educação entregaram este ano dez vezes mais pedidos de greve do que os ligados à Saúde ou à Justiça, segundo dados oficiais que colocam estes três setores como os mais contestatários.

Entre janeiro e outubro deste ano, a Direção-Geral da Administração e do Emprego Público (DGAEP) recebeu 751 declarações comunicando a intenção de avançar para uma greve, sendo a grande maioria entregue por estruturas sindicais ligadas à educação.

No total, a DGAEP já recebeu 567 avisos prévios de greve da área da educação, destacando-se os sindicatos que têm lutado pela recuperação do tempo de serviço congelado aos docentes do ensino obrigatório, mas também por melhores salários e condições de trabalho de professores e pessoal não docente.

Os sindicatos da área da saúde apresentaram 55 avisos prévios de greve desde janeiro, continuando a ser os aumentos salariais o principal motivo para avançar para novas paralisações.

Já o descontentamento de quem trabalha nas áreas ligadas à Justiça motivou a entrega de 51 declarações, seguindo-se a área da Administração Local (25 pré-avisos).

Os sindicatos ligados ao setor dos Negócios Estrangeiros apresentaram 13 pré-avisos de greve, seguindo-se seis declarações das estruturas sindicais ligadas à Administração Interna.

No final da lista, surgem dois avisos entregues pelo setor da Agricultura e Alimentação e um outro pelas Finanças.

Olhando para o calendário, os meses mais ativos foram os de abril (147 pré-avisos), março (107) e janeiro (105), por oposição aos meses de verão, que foram os mais calmos (julho com a entrega de 32 pré-avisos de greve e agosto com outras 26 declarações).

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+