Tempo
|
A+ / A-

Reserva estratégica de medicamentos e equipamentos em Portugal aprovada pela UE

31 out, 2023 - 12:06 • Lusa

Com um financiamento a 100% superior a 146 milhões de euros e uma duração estimada de 33 meses, este 'stock' é uma das 11 reservas estratégicas aprovadas para dez estados-membros, com "capacidade estratégica para responder às ameaças sanitárias transfronteiriças".

A+ / A-

A Comissão Europeia aprovou um projeto português para criar uma reserva estratégica de medicamentos e equipamentos médicos, financiado em 146 milhões de euros, anunciou esta terça-feira o governo.

"O principal objetivo do projeto é desenvolver e manter um stock de produtos farmacêuticos e de equipamentos médicos, em Portugal, capaz de responder às seguintes ameaças consideradas prioritárias à saúde" no espaço europeu, refere o ministério português, em comunicado.

Segundo o governo, "através desta candidatura, Portugal responde a um apelo complementar para melhorar ainda mais a preparação coletiva da União Europeia para ameaças à Saúde Pública".

A candidatura juntou várias entidades do ministério da Saúde - Direção Geral de Saúde, Instituto Nacional de Emergência Médica, Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde, Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge, Serviços Partilhados do Ministério da Saúde, o Serviço de Utilização Comum dos Hospitais e o Laboratório Nacional do Medicamento - e o objetivo é assegurar de resposta a várias ameaças de saúde pública.

"Agentes patogénicos com potencial pandémico", "ameaças nucleares, radiológicas, químicas, biológicas", "resistência antimicrobiana" ou "catástrofes naturais (tais como sismos e cheias)" são algumas das ameaças elencadas pelo ministério da Saúde.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+