A+ / A-

TAP. Pilotos aplaudem veto de Marcelo e concordam que há falta de transparência

27 out, 2023 - 19:33 • Lusa

Tiago Faria Lopes destacou que "há muita falta de transparência neste decreto-lei", indicando ainda a limitação de compradores e destacando que "por vezes, a melhor oferta de dinheiro não significa a melhor oferta para o futuro da TAP".

A+ / A-

O presidente do Sindicato dos Pilotos da Aviação Civil (SPAC) disse esta sexta-feira que concorda com o veto do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, ao decreto de reprivatização da TAP, apontando a "falta de transparência" do processo.

Em declarações à Lusa, Tiago Faria Lopes referiu que o Presidente da República foi o único que "teve consciência" e "decência", apontando os lucros "históricos" da companhia este ano.

"Não há pressa nenhuma em privatizar a companhia", disse o líder sindical, lembrando ainda que a TAP tem o compromisso de devolver o valor das ajudas públicas que recebeu nos últimos anos.

Além disso, destacou, "há muita falta de transparência neste decreto-lei", indicando ainda a limitação de compradores e destacando que "por vezes, a melhor oferta de dinheiro não significa a melhor oferta para o futuro da TAP".

"Foi um caderno de encargos com pouca transparência", destacou.

O Presidente da República vetou o decreto do Governo que enquadra as condições para a reprivatização da TAP pedindo clarificação sobre a intervenção do Estado, a alienação ou aquisição de ativos e a transparência da operação.

Este veto foi divulgado através de uma nota publicada no sítio oficial da Presidência da República na Internet, na qual se lê que Marcelo Rebelo de Sousa "decidiu devolver ao Governo o diploma de privatização da TAP, solicitando a clarificação de três aspetos que considera essenciais".

O chefe de Estado pede ao Governo que clarifique "a capacidade de acompanhamento e intervenção do Estado numa empresa estratégica como a TAP; a questão da alienação ou aquisição de ativos ainda antes da privatização; a transparência de toda a operação", acrescenta-se na mesma nota.

Em carta dirigida ao primeiro-ministro, António Costa, divulgada juntamente com esta nota no sítio oficial da Presidência da República na Internet, Marcelo Rebelo de Sousa refere que "foram solicitados esclarecimentos complementares ao Governo" sobre "estas três questões específicas, mas cruciais".

"Infelizmente, as respostas, ontem [quinta-feira] recebidas, não permitiram clarificar na totalidade três aspetos que considero essenciais", lamenta.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+