Tempo
|
A+ / A-

Greve na função pública com adesão superior a 90% no turno da noite

27 out, 2023 - 09:38 • Lusa

Frente Comum dos Sindicatos da Administração Pública considera que a proposta do Governo de aumentos salariais para 2024 é "miserabilista".

A+ / A-

A greve dos trabalhadores da administração pública registou no turno da noite uma adesão superior a 90%, tendo afetado a recolha de lixo e os hospitais, onde foram assegurados os serviços mínimos.

"O turno da manhã está a iniciar-se agora com os processos de rendição de trabalhadores e ainda vamos ter de avaliar [a adesão]. Ainda assim, durante a noite a greve foi bastante expressiva no setor da saúde e na recolha do lixo. Às 22h00 de quinta-feira já não houve recolha de lixo", disse o coordenador da Frente Comum dos Sindicatos da Administração Pública.

Sebastião Santana adiantou, cerca das 8h30, que nos hospitais foram assegurados os serviços mínimos nas urgências e nos blocos operatórios.

O coordenador da Frente Comum indicou ainda ter informação de escolas fechadas, mas ainda sem dados concretos, remetendo informação para mais tarde.

A Frente Comum de Sindicatos da Administração Pública espera "uma grande adesão" à greve nacional que decorre hoje, prevendo "fortes perturbações" em vários serviços públicos, como finanças e segurança social, nos hospitais e nas escolas.

"Prevemos uma grande adesão e perturbações ou encerramento de vários serviços, como é o caso dos serviços de finanças, da segurança social e das lojas do cidadão", indicou o sindicalista.

Sebastião Santana disse que "várias escolas deverão fechar em todo o país" uma vez que sindicatos dos professores e do pessoal não docente anunciaram a adesão ao protesto.

A Frente Comum dos Sindicatos da Administração Pública (da CGTP) anunciou em 9 de outubro a greve nacional de trabalhadores que hoje decorre, considerando que a proposta do Governo de aumentos salariais para 2024 é "miserabilista".

Para o próximo ano está previsto um aumento salarial mínimo de 52 euros ou de 3% para os trabalhadores da administração pública.

A Frente Comum reivindica um aumento dos salários em pelo menos 15%, com um mínimo de 150 euros por trabalhador, para fazer face ao "brutal aumento do custo de vida".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+