Emissão Renascença | Ouvir Online
A+ / A-

Fenprof

Adesão à greve da função pública nas escolas ronda os 90%

27 out, 2023 - 13:17 • Lusa

O secretário-geral da Fenprof salientou a conjugação da paralisação dos professores com a dos trabalhadores não docentes e notou que o efeito da greve é transversal entre ensino básico, escolas do segundo e terceiro ciclos e ensino secundário.

A+ / A-

A adesão no setor da educação à greve desta sexta-feira da função pública situa-se em torno dos 90%, disse o secretário-geral da Federação Nacional dos Professores (Fenprof), Mário Nogueira, sublinhando a "grande resposta" dos trabalhadores às políticas do Governo.

"Na educação, aquilo que podemos dizer é que, praticamente, hoje será um dia sem aulas. São poucas as escolas que estão abertas. E das poucas que estão, a maioria vai encerrar dentro em pouco, porque os trabalhadores das cantinas e refeitórios também estão em greve", afirmou à Lusa Mário Nogueira, assinalando que "a greve (...) andará na educação na ordem dos 90%".

"Esta é mais uma grande resposta dos trabalhadores da educação e, de forma mais geral, da administração pública a esta política, que tem tanto de infame para a administração pública, como de destrutiva e perversa. Ao desvalorizar a administração pública, não se está apenas a atacar quem lá trabalha, está-se a atacar os cidadãos", resumiu.

"Quem trabalha nos serviços públicos - e isso não é diferente no caso da educação - não pode ficar alheio a estas políticas. Portanto, a greve de hoje teria, necessariamente, uma adesão tremenda e está a ter, porque é sobretudo um grito de protesto e de indignação de quem trabalha na administração pública", frisou.

O secretário-geral da Fenprof adiantou ainda que o setor da educação vai voltar às ações de luta em 13 de novembro - quando o ministro da Educação, João Costa, estiver no parlamento para apresentar a proposta do Orçamento do Estado para o setor - e assegurou que "os sinais de que os professores continuam disponíveis para a luta são iguais aos do ano passado".

A Frente Comum dos Sindicatos da Administração Pública da CGTP anunciou a 9 de outubro a greve nacional de trabalhadores que decorre esta sexta-feira, considerando que a proposta do Governo de aumentos salariais para 2024 "é miserabilista".

Para o próximo ano está previsto um aumento salarial mínimo de 52 euros ou de 3% para os trabalhadores da administração pública.

A Frente Comum reivindica um aumento dos salários em pelo menos 15%, com um mínimo de 150 euros por trabalhador, para fazer face ao "brutal aumento do custo de vida".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+