Tempo
|
A+ / A-

Presidente da Comissão Episcopal da Pastoral Social

Crise na habitação. “Igreja quer participar na busca das melhores soluções”

26 out, 2023 - 08:00 • Henrique Cunha

"Num convento, pode haver muitos quartos, nas só há uma cozinha", diz o presidente da Comissão Episcopal da Pastoral Social, garantindo que a Igreja "está interessada" em ajudar a encontrar soluções.

A+ / A-

O presidente da Comissão Episcopal da Pastoral Social, D. José Traquina, diz que a Igreja sempre esteve disponível para "enfrentar situações de pobreza" e sugere, no quadro da crise habitacional, que a procura de soluções seja feita a nível local" porque "as camaras municipais sabem o que existe da Igreja" nos concelhos.

Em declarações à Renascença, D. José Traquina lembra que a utilização de património religioso para realojamento de pessoas não pode ser uma solução duradoura porque a Igreja "não tem espaços preparados para receber famílias".

"Num convento, pode haver muitos quartos, nas só há uma cozinha", nota o também bispo de Santarém, argumentando que a Igreja poderá responder "a situações de emergência", como aconteceu, recentemente, no Porto,onde "a Diocese disponibilizou habitação para vítimas do mau tempo”.

D. José Traquina lembra também que nos anos 70 do século passado a Igreja disponibilizou muitos dos seus espaços para acolher retornados das ex-colónias e que recentemente fez o mesmo em relação aos refugiados da guerra na Ucrânia, mas, tanto num caso como no outro, "as pessoas que acolhemos progressivamente não querem lá viver".

"O espaço não está apropriado ao seu gosto de viver", reforça.

O presidente da Comissão Episcopal da Pastoral Social reafirma, contudo, o interesse da Igreja em "participar na reflexão e na busca de soluções", promovendo "o diálogo", sem esquecer "a realidade das localidades, das dioceses e das congregações religiosas porque são elas quem sabe os espaços que podem disponibilizar".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+