Tempo
|
A+ / A-

Aumento do salário mínimo. Misericórdias alertam para sustentabilidade do setor

25 out, 2023 - 11:54 • Henrique Cunha

Manuel Lemos diz que, se o Estado não assegurar o impacto da medida, muitas IPSS terão de fechar portas.

A+ / A-

O presidente da União das Misericórdias Portuguesas (UMP) reafirmou, esta quarta-feira, no Parlamento, que se o Estado não assegurar o impacto da subida do salário mínimo em 2024, muitas insituições particulares de solidariedade social (IPSS) terão de fechar portas.

Nas contas de Manuel Lemos, o aumento do salário mínimo para 820€ em janeiro terá um impacto direto de "85 euros no salário mensal por trabalhador", o que "vai colocar um problema gravíssimo a todo o setor e à cooperação" com o Estado.

“Aqui estamos perante um problema seríssimo de sustentabilidade das respostas sociais, e é claro que tem de ser o Estado português a tomar opções”, adianta.

Manuel Lemos assegura a vontade das instituições em cooperar, mas adverte que “nossa cooperação tem um limite, que é o limite da nossa sustentabilidade”.

“Se não houver impacto [ajuda do Estado], as respostas das instituições vão fechar, porque não há possibilidade de responder a esta questão”, garante o presidente da UMP.

Numa audição no Parlamento sobre a implementação do programa de gratuitidade Creche Feliz, Manuel Lemos alertou também para a necessidade de o Estado assegurar o financiamento do pré-escolar.

“Quando estas crianças chegarem ao pré-escolar, nenhum pai ou mãe está disposto a pagar o que quer que seja”, garante Manuel Lemos. O presidente da União das Misericórdias afirma que “isto não pode ser assim, com gratuitidade na creche e na chegada ao ciclo, e pelo meio ter de pagar o pré-escolar”.

“Tem de haver aqui uma medida clara e rápida, e quanto mais depressa melhor, porque há muitos pré-escolares a fechar”, conclui.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+