A+ / A-

Professores consideram salários baixos e não recomendariam profissão a jovens

21 out, 2023 - 23:51 • Lusa

Nota-se um ligeiro aumento do descontentamento, quando se compara com os resultados da consulta realizada em 2022 pela FNE, em que 96,7% dos professores e educadores admitiram estar descontentes com o salário.

A+ / A-

A quase totalidade dos professores e educadores considera o seu salário baixo e 84% não aconselhariam os jovens a seguir a carreira docente, revela um inquérito nacional realizado pela Federação Nacional de Educação (FNE).

Estes são alguns dos resultados preliminares da consulta nacional "online" levada a cabo pela FNE, entre 13 e 20 de outubro, à qual responderam 2.138 educadores de infância e professores dos ensinos básico e secundário de todo o país.

"Como primeira análise, podemos avançar que as respostas a este inquérito revelaram um fortíssimo descontentamento em relação à remuneração", sublinha a FNE, revelando que 97,1% dos inquiridos consideram que a sua remuneração não está ao nível das qualificações que são exigidas para o exercício profissional.

Nota-se um ligeiro aumento do descontentamento, quando se compara com os resultados da consulta realizada em 2022 pela FNE, em que 96,7% dos professores e educadores admitiram estar descontentes com o salário.

Questionados quanto às expectativas de carreira, 94% consideram que são "pouco" ou "nada atrativas": "No ano passado, 56,5% diziam que eram dececionantes e 39,7% que eram pouco atrativas", refere a FNE.

Numa altura em que as escolas continuam à procura de professores -- a Fenprof apontava para 50 mil alunos sem todos os docentes atribuídos um mês após o início das aulas - a tutela tem levado a cabo várias iniciativas para atrair mais jovens para a profissão, mas parecem ser insuficientes na perspetiva de quem já está a dar aulas.

A grande maioria dos educadores e professores que respondeu ao inquérito (84,1%) não aconselharia um jovem a ser professor, sendo que a percentagem desceu ligeiramente em relação ao ano passado (menos 2,3 pontes percentuais).

A consulta revela ainda que mais de oito em cada dez educadores e professores (82,9) sente que o reconhecimento social pela profissão docente é negativo.

"Os respondentes desta consulta deixaram ainda de novo o alerta de reprovação relativamente às políticas deste governo, sendo muito críticos em relação às opções do atual governo em matéria educativa, sendo que 91,9% afirma que são insuficientes e muito insuficientes", afirma a FNE.

O inquérito abordou outras questões, como por exemplo, a utilização dos telemóveis pelos alunos na sala de aula, com dois em cada três a concordar com o seu uso (67,9% contra 32,1% que discordam).

Sobre o arranque do ano letivo, os professores apontaram como principais preocupações o excesso de trabalho, a excessiva carga burocrática e o excesso de trabalho administrativo.

A maioria dos professores e educadores também deu nota negativa às medidas anunciadas pela tutela para simplificar as tarefas dos professores.

No verão, o Ministério da Educação apresentou duas dezenas de iniciativas, que tiveram por base as sugestões apresentadas por várias direções dos estabelecimentos de educação e organizações sindicais, para começarem a ser aplicadas já este ano letivo.

Reduzir ao essencial os aspetos que devem ser monitorizados e avaliados em todos os planos e projetos, dispensar a avaliação das aprendizagens dos alunos nas AEC (Atividades de Enriquecimento Curricular), tornar facultativas as reuniões intercalares ou permitir reuniões "online" com encarregados de educação são algumas das medidas.

Entre os inquiridos que "chumbaram" as medidas, 77,6% afirmaram que na sua escola ainda não tinham sido adotadas quaisquer medidas no sentido de diminuir a carga burocrática do trabalho e 65,9% consideraram que muitas das tarefas atribuídas continuam sem se justificam.

O Ministério da Educação continua em parceria com a Agência para a Modernização Administrativa a fazer o levantamento de procedimento burocráticos a eliminar.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Ex-professor
    22 out, 2023 Felizmente 10:27
    Pergunto-me é onde andam os sindicatos... Tanta coisa para a coisa, e afinal a Luta parece "congelada"... Devem estar à espera que passem os 3 meses rituais desde a última greve de 1 dia, para fazerem outra... E ainda há quem pague quotas para isto!
  • Ex-professor
    22 out, 2023 Felizmente 10:27
    Pergunto-me é onde andam os sindicatos... Tanta coisa para a coisa, e afinal a Luta parece "congelada"... Devem estar à espera que passem os 3 meses rituais desde a última greve de 1 dia, para fazerem outra... E ainda há quem pague quotas para isto!

Destaques V+