Tempo
|
A+ / A-

Alterações Climáticas

Ativistas do Climáximo partem montra de loja de luxo na Avenida da Liberdade

21 out, 2023 - 12:46 • João Pedro Quesado

Apenas uma jovem foi identificada pela PSP. Os outros ativistas conseguiram fugir.

A+ / A-

Quatro ativistas do Climáximo partiram, este sábado, a montra da loja da Gucci na Avenida da Liberdade, em Lisboa. A Renascença confirmou que apenas uma jovem foi identificada, tendo os outros três conseguido fugir.

Fonte do Comando Metropolitano da PSP de Lisboa explicou que os ativistas partiram o vidro da montra da loja de luxo pelas 10h40, inscrevendo uma frase a tinta vermelha. Entre os quatro jovens envolvidos, apenas uma jovem foi identificada - a detenção depende de queixa dos proprietários da loja, disse a mesma fonte.

Em comunicado, o grupo Climáximo confirmou a ação, mas apenas refere três pessoas. "Uma ativista quebrou o vidro de uma montra, enquanto outras duas pintaram em tinta vermelha «Quebrar em caso de emergência climática»", disse o grupo.

Esse número é corroborado por uma testemunha, que publicou na rede social X (antigo Twitter) um vídeo dos danos feitos na montra da loja.

O Climáximo afirma que o alvo da ação foi escolhido porque a marca pertence "ao bilionário francês François-Henri Pinault, CEO da empresa Kering, com um património líquido de 40 mil milhões de dólares e um dos homens mais ricos do mundo".

O grupo refere que "a ONU aponta que os ultra-ricos têm de cortar mais de 97% das suas emissões, no relatório de lacuna de emissões, mas o consumo de luxo nunca esteve tão alto", e pede "que a transição energética seja financiada com a introdução de um novo escalão do IRS, aplicado aos rendimentos superiores a 150 000 euros anuais brutos, com a taxação fixada em 99%".

[atualizada às 13h11]

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Digo
    21 out, 2023 Eu 16:12
    Isto está a passar das marcas, perante a inércia complacente das autoridades. Não deixem que as pessoas tomem a justiça nas mãos, por verem que a Justiça nada faz. É que nesse caso, as e os betinhos que forem apanhados pela populaça, vão passar um mau bocado ...
  • Americo
    21 out, 2023 Leiria 15:30
    Boa tarde. Já aqui "tentei" publicar a minha opinião sobre a não tentativa de acabar com estas ações. A RR não publicou. Muito bem está no seu direito, mas continuo com a mesma opinião: Não "acabamos" com isto e qualquer esta "cachopada" andará com tiros na rua. Espero estar enganado. Obrigado.
  • carlos
    21 out, 2023 alveia 15:10
    mas quando é que esta gentalha é presa?

Destaques V+